Coluna de Airton Peruzzi

Dois toques
01 de Novembro de 2014 às 07:58

SOFRÍVEL – Que a equipe gremista é fraca, todos os torcedores sabem. Estamos chegando ao final do Brasileirão sem que o time tenha conseguido sequer um armador de qualidade. Contudo, é latente que, mesmo com as limitações técnicas, este grupo de jogadores poderia render um pouco mais. O Grêmio não tem dinâmica para vencer jogos. Chega a ser irritante o toque-toque lateral e em recuo, sem nenhuma objetividade. A bola, para chegar ao ataque, é sempre por meio de chutões dos zagueiros. Não é por acaso que o Grêmio tem um dos piores desempenhos da sua história em relação à marcação de gols. O jogador mais lúcido e efetivo do Grêmio é Barcos, disparado. O problema é que ele tem de sair da área para buscar a bola e, muitas vezes, ser o armador da equipe. Não tem como dar certo.

DONO DA BOLA – Antigamente, jogador ruim, nas peladas com os amigos, era titular quando goleiro ou se fosse dono da bola. Lembro-me, muitas vezes, de que éramos obrigados a escalar “cabeças-de-bagre”, simplesmente porque eram donos da bola. Se não os colocassem jogar, ameaçavam ir embora levando consigo a bola. E aí não tinha jogo. Muitos jogadores neste Brasileirão não são apenas “donos da bola” e sim proprietários de fábrica de bolas.

SANTO ÂNGELO – O Santo Ângelo começou a se mexer cedo para a temporada 2015. Nesta semana foram anunciados muitos jogadores. A maioria deles já fez parte do elenco missioneiro, como John Lennon, Baiano, Saulo e outros. Também, de forma acertada, serão aproveitados muitos jogadores da base. Não tem como ser diferente. O miserável futebol do interior gaúcho, sem recursos, precisa se reinventar. O problema todo é a necessidade de respostas no curto prazo. O treinador Zica Pagliarini terá de trabalhar muito para conseguir os resultados que o torcedor deseja. Capacidade ele tem.

FUNDO DO POÇO – A tradicional Portuguesa de Desportos vive dias intensos no seu inferno astral. Nesta semana, cinco rodadas antes do final, foi rebaixada para a Série C. Dos 33 jogos disputados no Brasileirão da Série B, conseguiu a “proeza” de perder 18, empatar 12 e ganhar apenas três partidas. É o exemplo de como a cartolagem amadora pode afundar ligeirinho uma agremiação centenária. Se tiver a mesma “mãozinha” usufruída pelo Fluminense quando passou pelo mesmo “calvário”, a Lusa levará um tempo, mas sobreviverá.

O DIFÍCIL SONHO DO G-4 – O Grêmio sonha dormir hoje no luxo do G-4. Para que isso aconteça, mesmo que por apenas uma noite, terá de vencer o jogo de logo mais, 19h30min, na Arena, contra o Vitória-BA, e torcer para que Fluminense e Corinthians não vençam os seus jogos.

INTER – Há indicativos de que o Internacional terá sua vida facilitada no jogo de amanhã, na Vila Belmiro, contra o Santos. Como o Peixe está focado no jogo da volta contra o Cruzeiro pela Copa do Brasil, muitos dos seus jogadores titulares serão poupados neste jogo. Entre estes jogadores está o “serelepe” Robinho. Se de fato isto ocorrer, o Colorado tem boas chances de sair da Vila com uma vitória e se firmar no G-4.

SEQUÊNCIA – Nas próximas quatro rodadas, a dupla Gre-Nal tem situações inversas em seus compromissos. Enquanto o Grêmio terá três jogos em casa (Vitória, Inter e Cruzeiro) e um fora (Criciúma), o Internacional jogará fora três jogos (Santos, Grêmio e São Paulo) e um jogo em casa, contra o Goiás. Como faltam apenas sete rodadas para o fim, é possível que esta sequência de jogos de cada equipe seja determinante para as pretensões de cada um.

FELIZ – Como gostaria de ser torcedor do Cruzeiro. Além de liderar com muita folga o Campeonato Brasileiro por 25 rodadas, é sério candidato a disputar, concomitantemente, a final da Copa do Brasil. O torcedor da Raposa é só alegria. Quanta diferença!

Fonte: Jornal das Missões

Email: airtonperuzzi@ibest.com.br

Mais artigos de Airton Peruzzi