Coluna de Airton Peruzzi

Dois toques
21 de Fevereiro de 2015 às 07:56

DIEGO AGUIRRE BALANÇANDO – Poucos treinadores de futebol na América do Sul têm um plantel tão qualificado, caro e tão numeroso quanto o do Internacional. O problema é que o técnico Diego Aguirre ainda não conseguiu fazer destas estrelas uma constelação. São resultados pífios no Campeonato Gaúcho e um desastre na estreia da Libertadores. Mesmo com pouco tempo de trabalho, a equipe deveria estar num estágio melhor. Não é o que se vê. A cobrança é forte por parte da direção que o contratou e mais contundente ainda por parte do torcedor colorado, que tem o sentimento de que o rendimento da equipe deveria ser muito melhor.

FALTOU CONVICÇÃO – A direção do Colorado foi bastante atrapalhada na contratação do técnico Diego Aguirre. Aliás, buscou quem estava disponível. Não teve convicção para contratá-lo. Primeiro, Tite era o cara. Este, por ser um cidadão ético, ficou esperando a definição da direção em relação a Abelão, que precipitadamente tinha sido colocado na geladeira. Resumo da ópera: Piffero demorou, Tite foi parar no Corinthians e Abelão se mandou, chateado. Sobrou Aguirre, o único que não tem culpa nenhuma nesta história.

PRAZO DE VALIDADE – Diego Aguirre poderá ter seu prazo de validade encerrado na próxima quinta-feira, quando o Inter receberá a Universidad de Chile, no Beira-Rio. Este é o jogo-chave, determinante para o futuro do treinador. Um tropeço basta. O dilema colorado é esperar e correr o risco. Demiti-lo agora seria precipitação? Claro que a direção não vai chamar pra si esta responsabilidade, antecipando sua demissão. Seria o mesmo que assinar o “atestado de incompetência”. A “La U” é o time mais fraco do grupo. Na primeira rodada, assisti ao jogo em que, mesmo jogando em casa, perdeu para o Emelec, do Equador, por 1 a 0. E poderia ter sido muito pior.

CONTRATAÇÃO – Segundo o diretor Carlos Pellegrini, o atacante argentino Lisandro López, que recentemente havia rescindido seu contrato com o Al-Gharafa, do Qatar, foi contratado pelo Internacional. É mais um sul-americano de qualidade que se incorpora ao recheado esquadrão vermelho.

MISTO QUENTE – Para o jogo de amanhã contra o São Paulo, 16h, em Rio Grande, o Internacional escalará uma equipe mista. Quantos clubes brasileiros gostariam de ter um misto assim: Alisson; Cláudio Winck, Réver, Juan e Alan Ruschel; Nicolás Freitas, Nilton, Jorge Henrique, Anderson e Alex; Nilmar. Um luxo!

UMA SEMANA – É o tempo que falta para o Santo Ângelo estrear na Divisão de Acesso, contra o Glória, lá em Vacaria. Uma pena não ter conseguido segurar o bom atacante Zé Anderson. Mas a equipe tem potencial e Zica tem competência.

FEIO – Após o encerramento do clássico Ca-Ju, disputado no Alfredo Jaconi, na última quinta-feira, um dos gandulas do jogo (talvez menor), feliz pela vitória do seu clube, pegou uma bandeira do Juventude para comemorar e quase foi linchado por alguns jogadores do Caxias. Durante o jogo não houve nenhum tipo de problema com este rapaz. Cumpriu com zelo seu papel. Todos os envolvidos sabiam que ele é ligado ao Juventude e, portanto, torcedor do clube. Se sua comemoração fosse durante o desenrolar da partida, bom, aí sim caberiam protestos e repreensão. Agora, depois de findado o jogo! Só faltou dizerem que ele foi o culpado pela derrota do Caxias!

Fonte: Jornal das Missões

Email: airtonperuzzi@ibest.com.br

Mais artigos de Airton Peruzzi