Coluna de Eduardo Matzembacher Frizzo

Relatos do abismo
03 de Junho de 2017 às 07:55

“A frase ‘o Brasil está à beira do abismo’ é tão velha e o Brasil tão abismal, que é bem possível que o Brasil já esteja no lugar do abismo e o abismo no lugar do Brasil.”
Stanislaw Ponte Preta (1923-1968, cronista, escritor, radialista e compositor brasileiro).

Relato nº 1

Qual relevante serviço Luciano Huck prestou ao Brasil para receber a medalha de Honra do Mérito Militar? Qual importante atuação em prol do bem comum do país tiveram Rodrigo Maia (DEM), Eunício Oliveira (PMDB), Lasier Martins (PSD), José Ivo Sartori (PMDB), Beto Richa (PSDB), Aloysio Nunes (PSDB) e Eliseu Padilha (PMDB) para receberem de Michel Temer (PMDB) a comenda da Ordem de Rio Branco, sendo que nessa lista temos alguém acusado de agredir a esposa e alguns nomes da lista de Fachin?
Por que não homenagear, por exemplo, a cientista Celina Turchi, especialista em doenças infecciosas da Fiocruz de Pernambuco, que liderou a pesquisa que descobriu a relação entre a microcefalia e o vírus da Zika, eleita pela revista “Time” como uma das 100 pessoas mais influentes de 2017?
Por que a ciência não é premiada, em vez de sofrer um corte de 44% no orçamento federal, fazendo com que o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) conte com o orçamento mais baixo em pelo menos 12 anos, com 2,8 bilhões de reais, equivalente a US$ 898 milhões – significando um corte de 2,2 bilhões dos 5 bilhões que o Governo havia proposto originalmente para 2017?
Por que o Governo Temer dá medalhas e condecorações para o mau-caratismo e para a futilidade e desconsidera quem, por meio do conhecimento, de fato trabalha para construir um futuro melhor?

Relato nº 2
O que aconteceu com o mundo para garotos de 16 ou 17 anos virarem tiozões reaças de almoço de domingo, do tipo que venera o Golpe de 64, passa discorrendo sobre “a ameaça comunista”, não perde tempo em compartilhar “fake news” no Facebook e no WhatsApp e vive utilizando expressões idiotas como “feminazi” e “ditadura gayzista”?
O que aconteceu com o mundo para que eu tenha que ouvir gente falando que “mudanças climáticas” e “aquecimento global” são “uma conspiração de ambientalistas patrocinados pela China” – e notar que outros levantam bandeiras de “campanhas anti-vacinação”, mesmo que isso possa colocar em risco a saúde dos seus próprios filhos?
O que aconteceu com o mundo para alguns acharem que defender os direitos fundamentais, a existência de partidos políticos e a noção óbvia de que a desigualdade social é imensa e se trata da causa de muitos dos nossos problemas, trata-se de um “discurso de doutrinação que deve ser totalmente condenado”?
O que aconteceu com o mundo para que eu presencie uma pessoa que considerava “pensante”, dizendo que “no Brasil jamais existiu governo de direita” – e pregando que o cara pode ser um boçal, uma mula, uma anta, um estúpido grosseiro, fanfarrão e oportunista que só sabe repetir juízos de valor pra lá de bobalhões e ainda assim se trata de “uma boa opção para 2018”?
O que aconteceu com o mundo para o sujeito fazer uma expressão apavorada quando você fala que o livro possui “só 100 páginas”, reagindo diante daquilo como se estivesse frente a frente com um monstro grotesco e medonho que fosse devorar sua carcaça, para persistir no esforço constante e contínuo de tornar o cérebro um mero braço do intestino que serve para proporcionar a excreção bocal de ideias e pensamentos pra lá de imbecis?
Sério mesmo: do jeito que a coisa está, às vezes dá vontade de largar tudo e ir morar no mato pra ler metafísica alemã e ouvir Pink Floyd pelo resto dos meus dias.
 

Mestre em Direitos Humanos e Desenvolvimento pela Unijuí. Especialista em Docência para o Ensino Superior e graduado em Ciências Jurídicas e Sociais pela CNEC/Iesa Santo Ângelo. Advogado e professor universitário em sede de graduação e pós-graduação no Curso de Direito da Faculdade de Balsas (Unibalsas/MA). Diretor Jurídico da Sociedade Racionalista (www.sociedaderacionalista.org). Editor e responsável pelo blog Não é céu. (www.naoeceu.blogspot.com).

Email: eduardo7frizzo@hotmail.com

Mais artigos de Eduardo Matzembacher Frizzo