Coluna de Eunísia Kilian

Lendas urbanas
07 de Outubro de 2013 às 11:18

Ao querer sintonizar uma rádio esotérica para fluir a crônica, não consegui e são exatamente doze horas, e começo a escutar o belo replicar dos sinos da igreja matriz que funcionam como uma orquestra, soam memórias de um povo. Tudo começa... Nostalgia, o som toca dentro do meu corpo humano, é uma sensação que realmente não consigo descrever. O significado oculto das badaladas do sino... Sino, tambor da vida, coração da cidade e da gente.

Meu amigo misterioso não tirava da sua cabeça o boné preto, trazia muitas histórias e não economizava palavras. Sempre sentava no mesmo banco na Praça Pinheiro Machado, voltado para o leste onde podia visualizar pelos galhos das árvores, o belo céu azul celeste. Seus tímidos gestos lembravam a presença da doença de Parkinson.

– Meu trabalho sempre foi digno de ser realizado. Tinha que algumas vezes realizar horas extras, trabalhar à noite por solicitação do prefeito Odão Felippe Pippi. Era apenas ajudante como se diz hoje, office boy, mas dava para sustentar a mulher e dois filhos pequenos, pois complementava meu trabalho como mecânico da oficina do senhor Juca. Enquanto escrevia um discurso para o prefeito, numa solidão tremenda, somente eu e Deus, ouvi o ruído das batidas da máquina escrever que ecoavam naquela sala que ficava a secretaria da prefeitura. Mas, aconteceu algo diferente naquela noite. Quando estava saindo da sala onde trabalhava continuei a ouvir alguém trabalhando na máquina de escrever, retornei a abrir a porta... Simplesmente não enxerguei nada, nenhuma pessoa, mas, o som continuava e só restou sair correndo do local do trabalho.

O tempo passou, e eu comecei a investigar esta história contada pelo meu amigo para fazer parte de um projeto Lendas Urbanas. Em busca de dados resgatei algumas histórias orais, e outras ficarão no anonimato, pois muitos negaram relatar alguma coisa sobre a lenda.

Até hoje, no tempo pós-contemporâneo onde a informatização e a cibernética estão presentes no cotidiano do ser humano, esta história continua. Seu Joel, guarda da prefeitura municipal que atualmente realiza trabalho diurno, relatou que, às 3 horas de uma noite fria, nem lembra a data, disse que ouviu o barulho lá em cima no segundo piso de um serrote serrando madeira e martelo batendo na parede. Ele afirma nitidamente que ouviu o som e foi ver o que estava acontecendo. Não avistou nada e desceu correndo as escadas todo arrepiado e com seu medo. Silenciou até quando uma rádio de Porto Alegre resolveu uma entrevistá-lo. Detalhe, não lembra quem foi o entrevistador.

– Sabe, dona Eunísia, também vi pelo monitor uma mulher subir a escada toda vestida de azul forte, não pude ver seu rosto. Chamei a colega que já estava indo embora, pois já eram 17 horas da tarde e fomos atrás para saber quem era. Com toda coragem subimos as escadas, andamos pelo prédio superior, em cada repartição e nada de ver alguma coisa. Até agora, contando esta história, parece que estou vendo ela no monitor.

Minha curiosidade fica cada vez mais aguçada e tento instigar seu Joel a realizar mais relatos que sabe, ouviu falar ou contar. Reluta um pouco e deixa escapar o pensamento e complementou:

– O guarda noturno, como sempre realizando as observações necessárias da profissão, parado ao portão avistou de longe, era 3 horas da madrugada, uma bola de fogo naquele banco da praça.

Ela rolava em círculo e chamou o colega que estava conversando com ele. E chegaram perto e não avistaram nada.

Mas como falou a cigana:

– No pátio do prédio da prefeitura municipal era o cemitério antigo dos índios e jesuítas. Cruz credo, mas aquele homem de capa preta parece uma alma perdida, caminha e ao mesmo tempo dá a impressão que está voltando todas as noites na Praça Pinheiro Machado. Fixa o olhar com nostalgia para o prédio da prefeitura, como se quisesse desenterrar um corpo conhecido.

A memória talvez brinca com o tempo, faz do imaginário popular uma lenda folclórica.

Pedagoga, Especializada em História da Filosofia, membro do Conselho de Cultura, Patrimônio Histórico e Arquelógico de Santo Ângelo, integrante do Movimento Pró-Memória e da Academia Santo-angelense de Letras. Quinzenalmente, assina a coluna Memória.

Email: eunisiaineskilian@hotmail.com

Mais artigos de Eunísia Kilian