Coluna de Marcelo Blume

Não espalhe o medo e o caos!
05 de Julho de 2016 às 07:55

Amigos, quando tiverem problemas pessoais, procurem ajuda e encaminhem logo antes que haja um desgaste maior. Se tiverem problemas de gestão, resolvam, pois quem é gestor, proprietário, executivo de um negócio tem por função liderar e decidir. Todos esperam isso de um líder e gestor, que precisa assumir o seu papel.

A empresa que tem problemas de gestão (quem não tem?) precisa focar nas soluções!

Não se reúne uma equipe para lamentar, reclamar, espalhar o medo e o caos. Isso só vai gerar comentários negativos dentro e fora da organização. Nestes casos, os melhores colaboradores vão começar a buscar outras opções e a desmotivação vai corroer o que ainda está funcionando bem. De nada adianta ficar reclamando e esperando dos subordinados as soluções que na realidade, somente uma boa liderança tem o poder para fazer surgir. É preciso que tanto o líder quanto os membros da equipe assumam seus papeis e caminhem juntos rumo a uma nova fase. Ser mais crítico com a própria relação de líder e liderados é importante para ir adiante. Quem mantém relações ruins, acomodando-se nas reclamações ao invés de desacomodar-se com as ações está doente ou então poderá ficar. Muitas vezes o maior motivo dos problemas das organizações está numa liderança fraca, omissa, procrastinadora, desorganizada, que não está qualificada para a complexidade das suas atividades e para enfrentar o momento da organização, do setor ou da economia.

As vezes ouço ou leio gestores que se queixam de suas equipes, porém, por vezes os problemas relatados, são vagos, ou incoerentes e outras vezes com razão, porém, sem agir diferente, não vai se obter resultados diferentes. Segue algumas sugestões bem simples e conhecidas que costumam melhorar o desempenho das equipes:

Conversar periodicamente com a equipe: por incrível que pareça, há equipes que não se reúnem e sem saber, por conta disso, vão gerando mais problemas. É fundamental ter uma periodicidade semanal ou quinzenal, para reunir as equipes e estabelecer um diálogo tranquilo e respeitoso onde todos possam falar sem receio de retaliações, seja na hora ou depois. As falas do líder e de quem mais falar devem ser transparentes, diretas e objetivas deixando claro o que se espera da equipe e de cada um. Seriedade e positivismo são duas palavras-chave para agir coletiva, ou individualmente. Para buscar soluções, gerar comprometimento e ainda, garantir a participação, a última reunião deve ser sempre uma boa lembrança.

Boas equipes são qualificadas permanentemente e intensivamente: A falta de qualificação das equipes gera falta de argumento e de conhecimento e a consequência são os problemas sentidos na organização. Qualificar é caro, mas não qualificar é mais caro ainda. Qualificar é arriscado, mas não qualificar é mais arriscado ainda. Colaboradores bem preparados cuidarão melhor e de mais detalhes para garantir o melhor atendimento aos colegas e aos clientes.

Não confunda qualificação da equipe com motivação: Há quem parece confundir a necessidade da equipe aprender, com a necessidade de terem motivos para agir. A qualificação profissional tem a função de ensinar a fazer melhor e a motivação deve auxiliar a terem mais e melhores motivos para agirem, ou seja, mais vontade de fazer. As duas atividades são fundamentais em qualquer organização e por isso, é preciso espaços e momentos adequados.

Um abraço e até a próxima, lembrando ainda, que gente motivada, não sabendo bem o que fazer, pode gerar uma grande confusão!!
 

Marcelo Blume é Administrador, Especialista em Marketing e Mestre em Engenharia de Produção. Professor da UNIJUÍ e convidado em diversas IES. Sócio e consultor da Referenda Consultoria. Palestrante, pesquisador e escritor, com artigos e livros publicados.

Email: marcelo.blume@referenda.com.br

Mais artigos de Marcelo Blume