Coluna de Oscar Pinto Jung

Sonho não é bobagem
06 de Outubro de 2015 às 09:00

Desde tempos remotos o homem discute os sonhos: realidade, algum fundo de verdade ou apenas bobagens? Psicanalistas, psicólogos, terapeutas do sono têm se debruçado sobre o importante tema sem pacificação das controvérsias. O suíço Carl Gustav Jung escreveu sua autobiografia sob o título “Memórias, Sonhos e Reflexões” em que também avança sobre o plano espiritual, pois viveu experiências parapsicológicas (espirituais). E há os sonhos premonitórios, como o do bíblico José sobre os períodos trágicos e os períodos de fartas colheitas no antigo Egito. A verdade é que todos nós sonhamos todas as noites, alguns até coloridos.

Não sei interpretar sonhos, mas volta e meia recebo perguntas aflitas sobre o estranho sonho de alguém na noite passada. O Jorge é um santo-angelense que há vinte anos se mudou para o Mato Grosso, onde trabalha com pizzaria. Conheci também sua mãe, a dona Maria, e suas irmãs. Atualmente, o Jorge também estuda a Doutrina Espírita. Ele me conta:

- Minha mãe desencarnou há três anos. Na época, eu estava envolvido com muitos problemas e nervoso com o que poderia me acontecer. Certa noite, a minha mãe me apareceu em sonho muito nítido e me falou: “Meu filho, não se preocupe, nada de mal vai te acontecer”. Realmente, nada de mal me aconteceu.

A leitora Isabel mora aqui mesmo, nesta histórica Capital das Missões. Ela revela que muitas vezes têm tido sonhos premonitórios (os que antecipam acontecimentos). Eis o que a Isabel escreve:

- Em determinada ocasião, sonhei que pessoa amiga tinha se envolvido gravemente em acidente de automóvel e teria morrido. No dia seguinte, tomei conhecimento de que essa pessoa tinha cometido o lamentável equívoco do suicídio. Sempre que tenho sonhos assim e não posso fazer nada, não tenho capacidade para tanto, rezo muito, como, aliás, me aconselhou o médico Edson Cardoso.

Outra leitora, a Ângela, também residente nesta cidade, não deu maiores detalhes, mas traz valioso depoimento:

- Há exatos quinze meses tive um sonho absolutamente premonitório. Alguns dias depois o sonho se concretizou da forma mais cruel e inimaginável para uma mãe. Sim, com certeza, os sonhos têm um caráter muito forte em nossas vidas.

E ocorre que nós, ainda envergando o traje carnal, nos encontramos nos sonhos com outros encarnados. E fora do corpo físico nós nos sentimos bem mais à vontade, mais alegres, mais expansivos. A roupagem carnal nos inibe muito, limita nossos movimentos. É por isso que se diz que a morte do corpo físico significa para o corpo espiritual uma libertação, é a alegria do passarinho quando foge da gaiola.

A FRASE DO CHICO XAVIER
– curtida por Silvana Azzi de Lima – “Viva de maneira que, quando você se for, muito de você ainda fique naqueles que tiveram a boa ventura de encontrá-lo”.
 

Advogado, integrante da Academia Santo-angelense de Letras. Escreve nas edições de terça-feira. 

Email: pintojung@terra.com.br

Mais artigos de Oscar Pinto Jung