Coluna de Oscar Pinto Jung

Eles não sabem que morreram
18 de Outubro de 2016 às 08:15

Por ignorância da vida extrafísica, há familiares que não oram em favor dos entes queridos, na suposição de que eles não precisam, de que eles estão sentados ao lado de Deus ou que um dia bem distante eles despertarão do sono profundo em que ora se encontram. Por alimentarem tais ideias durante todo o estágio terreno, muitos espíritos não se dão conta de que já deixaram o mundo da matéria. Ocorre então que muitos deles ficam ligados ao antigo ambiente doméstico, fazem de tudo para dialogar com os parentes, inutilmente. Leitora da coluna conta algo parecido:

- Antes do amanhecer de ontem, sonhei com a minha mãezinha desencarnada há três anos. Ela estava sentada no quarto dela e falava que não aguentava mais ficar aqui. Queria sair, ir embora.

Perguntado como saber se nossos familiares e amigos desencarnados permanecem no antigo lar, o médium Chico Xavier respondeu:

- Nem sempre é fácil sabermos onde eles se encontram. Algumas vezes eu tenho me surpreendido com a situação de amigos e familiares no Além. A menos que o “telefone” toque para nos dar notícias e o “endereço” deles.

Há sensitivos que mediante desdobramento (projeção astral durante o sono) são capazes de se encontrar e conversar com desencarnados. O inolvidável médium de Uberaba conta, a propósito, o que observou em desdobramento:

- Certa noite, fora do corpo físico, vi no cemitério um “crente” repelindo o auxílio de Benfeitores Espirituais que queriam retirá-lo de lá. Ele negou-se porque estava “aguardando o Juízo Final”.

Orar em favor dos desencarnados (parentes, amigos, desafetos) sempre é recomendável. A importante ajuda é acolhida de imediato, com muita alegria. Os trabalhos públicos do Amor ao Próximo sempre reservam espaço para preces em favor dos desencarnados. Sempre vale a pena rezar em prol de muitos que ainda não se deram conta de que mudaram de indumentária. O doutrinador J. Herculano Pires esclarece:

- Devemos orar pelos desencarnados. Eles são os mesmos que antes carregavam um fardo físico, e a energia circulante e divina da oração, quando é doada por amor, tem o poder de buscar a criatura visada em qualquer lugar do Universo, em frações de segundos, envolvendo o espírito doente e abatido, no carinho e no amor que se desprendeu dos sentimentos de quem ofertou a oração nas linhas da caridade.

Chico Xavier arremata a coluna de hoje com resposta consoladora:

- A prece vale porque não se perde; sua energia permanece formando como que um círculo em torno do espírito, esperando que ele se sensibilize, desperte e a absorva.

A FRASE DO ESPÍRITO EMMANUEL, curtida por Clara Lia Grás: “Continua servindo e agindo para o Bem. O teu silêncio falará por ti muito mais”.
 

Advogado, integrante da Academia Santo-angelense de Letras. Escreve nas edições de terça-feira. 

Email: pintojung@terra.com.br

Mais artigos de Oscar Pinto Jung