Coluna de Oscar Pinto Jung

Dois profetas do sono
19 de Abril de 2017 às 08:47

Outro dia, o Gelso Pinheiro, de Eugênio de Castro, mencionou a desencarnação de Glória Fernandes, no Rincão dos Anjos, “pessoa prestativa, benzedeira e conselheira de muita gente por muitos anos”. Não conheci pessoalmente a Dona Glória, mas ouvi muitas boas referências a ela, sobrinha do médium Manoel Fernandes, que também viveu no Rincão dos Anjos, em sua última passagem terrena. Desencarnado há muitas décadas, Manoel hoje é nome de rua na cidade de Eugênio de Castro. Manoel e o norte-americano Edgar Cayce cumpriram mandatos mediúnicos muito semelhantes e muito meritórios. Ambos voltaram para a Vida Espiritual na década de 1940.

Germano Samuel Mousquer integrou a administração do Prefeito Odão Felippe Pippi, deixou o mundo físico em acidente de automóvel, compadre do Manoel e sobre ele me escreveu:

- Conheci Manoel Fernandes e a ele me uniram laços de relações e amizade por largos anos. Ao tempo em que residi no Entre-Ijuís, de 1934 a 1944, estive muitas vezes em sua residência, no Rincão dos Anjos. Depois que fixei residência em Santo Ângelo, em 1944, tive o prazer de receber sua visita por algumas vezes.  Manoel era a bondade personificada. Ponderado e calmo, nenhum atrito ou desinteligência era capaz de quebrar a serenidade que orientava a sua maneira de agir em qualquer circunstância. A enorme afluência de clientes à sua residência não o impressionava. A todos atendia com devoção e carinho, trabalhando não só durante o dia, mas até altas horas da noite. No tratamento dos males humanos praticou curas surpreendentes e admiráveis.

Numa época de poucos médicos em toda a nossa região, Manoel Fernandes, na maior simplicidade, exerceu importante papel no tratamento dos doentes que o procuravam. Além de receitar medicamentos, o médium do Rincão dos Anjos também antecipava fatos, quando caía numa espécie de transe sonambúlico. Tal como Edgar Cayce, modesto fotógrafo de pequena cidade dos Estados Unidos, quase analfabeto. Chamado de Profeta do Sono, como também poderia ter sido chamado o Manoel, Edgar, sob evidente influência mediúnica, falava sobre coisas que iriam acontecer nos meses e anos seguintes. O Google nos acrescenta dados impressionantes sobre ele:

- Deitado num divã, de olhos fechados, em estado de transe, Edgar discorria sobre temas variados, com absoluto conhecimento de causa. Ainda criança, podia memorizar livros dormindo sobre eles. Como também receitava para as mais diversas enfermidades.

O mediunismo – ponte entre os dois mundos – se manifesta sob diferentes e inimagináveis formas, com a utilização de pessoas de qualquer nível de instrução. Manoel Fernandes, Edgar Cayce, João de Abadiânia e muitos outros, não receberam nenhum diploma da ciência médica, mas devotos servidores de médicos espirituais, cumpriram humildemente os seus deveres de amor ao próximo. Com toda a eficiência possível. Merecem pesquisa e reflexão.

A PALAVRA DO ESPÍRITO CALDERARO
, pelo lápis do Chico Xavier: “Vocês não desconhecem que quase todas as moléstias rotineiras são doenças da ideia, centralizadas em coagulações de impulsos mentais, e somente ideias renovadoras representam remédio decisivo”.

Advogado, integrante da Academia Santo-angelense de Letras. Escreve nas edições de terça-feira. 

Email: pintojung@terra.com.br

Mais artigos de Oscar Pinto Jung