Coluna de Oscar Pinto Jung

Nascer, viver, morrer
03 de Maio de 2017 às 08:00

Muita gente tem dificuldade para entender o processo lógico e justo da reencarnação. Eu também tive. Comecei a entender quando li um livro de Spencer Lewis, mestre dos rosacruzes, intitulado “Mansões da Alma”. Mais tarde, fiquei pensativo ao tomar conhecimento de admirável síntese de Allan Kardec sobre as nossas passagens pelo planeta:

- Nascer, morrer, renascer ainda, progredir sempre, assim é a Lei.

O leitor Jairo Hedson Amaral reside no município de Jóia (RS) e pelo correio eletrônico quer saber algo sobre vidas passadas. O Jairo indaga se existem provas cabais, incontestáveis, disso. A ciência terrena ainda não tem respostas para muitas coisas, inclusive para as vidas sucessivas. Os espíritas sabem que sem a reencarnação não haveria Justiça de Deus. E nem se poderia dizer que Deus é justo, perfeito e bom. Os que ainda não leram ou não querem ler O Livro dos Espíritos, por algum preconceito, mas se interessam pelo tema reencarnação, poderão recorrer a livros budistas, rosacruzes ou esotéricos.

Há dois livros acima de qualquer suspeita sobre o assunto em pauta (os autores não têm nenhuma aproximação com a Doutrina Espírita), que merecem leitura e reflexão: “Muitas Vidas. Muitos Mestres”, do psiquiatra judeu-americano Brian Weiss, e “20 Casos Sugestivos de Reencarnação”, do Professor Ian Stevenson, da Universidade de Virginia. Ambos os livros são fundamentados em casos concretos e pesquisas, sem interesse comercial ou secundário. O Professor Stevenson buscou casos sugestivos de vidas anteriores em vários países, inclusive no Brasil. Mais de seiscentas possibilidades foram analisadas por Stevenson, contatos pessoais, com o rigor merecido. Ao final, ficou com vinte, os mais expressivos casos, e desafiou contestações de quem quer que seja.

O Dr. Weiss recebeu em seu consultório paciente com sintomas difíceis, que outros colegas não conseguiram êxito em detectar e curar. Depois do tratamento convencional fracassado, o psiquiatra submeteu a Catherine, com a aquiescência dela, ao sono hipnótico. Ele precisava saber as causas dos estranhos sintomas, indiferentes a toda a terapia de estilo. Com certeza, estariam na infância. Catherine voltou no tempo, reviveu a juventude, os primeiros anos de vida e as sensações do ventre materno. Nada de respostas concretas. Então, para surpresa do Dr. Weiss, que poucas informações tinha sobre reencarnação, Catherine deu amplas informações sobre a sua vida passada, o nome que usava, os nomes dos pais, a causa-mortis e apontou o local do cemitério onde estava sepultado o corpo físico então usado.

Pois, Catherine trazia hoje efeitos danosos de vidas anteriores. Ao longo de dois anos, a paciente, em sessões de hipnose, deu notícias de oitenta e sete reencarnações. Algumas, especialmente as últimas, com riqueza de detalhes (nomes de familiares, lugares onde viveu) e as mais antigas, já praticamente apagadas na memória. Com todos os dados à disposição, gravados, o Dr. Weiss adotou o tratamento correto e devolveu a Catherine toda sua capacidade mental. Ele não pretendia divulgar a pesquisa, sabia que seria objeto de zombaria de colegas e dos meios científicos. Ainda assim, enfrentou o desafio e publicou o livro que se tornou de imediato sucesso de livraria (“best-seller”) em vários países do mundo. No Brasil, o sucesso se repetiu e o livro ainda pode ser adquirido pela Internet.

A PALAVRA DO MÉDICO J. J. Camargo, cirurgião torácico: “A vida sem desafios é a antecipação da aposentadoria. É uma passagem sem escalas da juventude para a senilidade”.

Advogado, integrante da Academia Santo-angelense de Letras. Escreve nas edições de terça-feira. 

Email: pintojung@terra.com.br

Mais artigos de Oscar Pinto Jung