Coluna de Pedro Belmonte

Retornando
25 de Fevereiro de 2017 às 08:00

Durante o recesso, entre outras atividades, me dediquei à finalização de Crônica do Tempo II. Nesse tempo, Loiva e eu visitamos nosso filho, Giancarlo, major de Comunicações, Instrutor da Escola de Comando e Estado-Maior do Exercito (ECEME) e sua mulher Monica, no Rio. Conosco viajaram os netos Gianlucca e Vicenzzo, filhos de Giancarlo, alunos do Colégio Militar de Porto Alegre, em férias. Por dias estivemos, dentre diversos pontos turísticos, no Palácio do Catete, hoje Museu da Republica. Foi bom rever o gabinete de trabalho, os salões do palácio – que serviu de residência ao presidente Getúlio Vargas e sua família – seu quarto, sua cama onde se suicidou, o revólver calibre 32, cabo de madre perola, o pijama manchado de sangue e pólvora a altura do coração, numa atmosfera ressentindo a história recente..

Retornando II
Retorno à coluna ocorre num momento de incertezas na politica e economia brasileira, resultante do impeachment de Dilma e a posse de Temer. Atual mandatário sofre na busca de soluções aos problemas nacionais. Porem sofre críticas da antiga situação, hoje oposição, além do recorrente mantra do ‘golpe’. Pesquisas apontam para o aumento da rejeição ao governo. Avança, apesar das tentativas de breca-la, a Lava-jato, causando preocupações generalizadas, atingindo partidos contra e a favor ao governo. Presidente Temer, acusado de ser contra a operação, jura que nada tem feito em contrario e que ela deve prosseguir. Junto à população cresce a batalha entre os a favor e contrários ao PT. Os enfrentamentos extrapolam, desrespeitando barreiras, essencialmente no face-book. 

O Partido
Do final de 2016 ao inicio de 2017, me dediquei à leitura de alguns livros. Dentre esses o instigante, senão revelador, ‘O Partido’, que desvenda um sinistro projeto criminoso de poder, em desenvolvimento no Brasil, autoria de Robson Pinheiro. Obra foi ditada pelo espirito Ângelo Inácio, craque na temática. Publicação é da Casa dos Espíritos, de 2016, e trata a luz do espiritismo, dos momentos cruciais que o antecederam e os dias do desfecho do processo de impeachment. A obra mediúnica traz no preambulo carta do espirito Tancredo Neves a Nação Brasileira, assistido pelos espíritos José do Patrocínio e Getúlio Vargas.

O Partido II
Robson Pinheiro observa que o impeachment não encerra os problemas a serem enfrentados por políticos e pela população. Antes de publicado, o texto circulou pela internet, alcançando centena de milhares de visualizações, comentários e curtidas. São narrados os bastidores espirituais das últimas administrações federais. ‘O Partido’ desmascara a obsessão que atinge seu mais alto grau e requintes de crueldade, sobre uma sociedade inteira. O projeto de poder alicia políticos, empresários e cidadãos. Magos negros, espectros e especialistas em hipnose coletiva alastram suas artimanhas a fim de impedir que o Brasil cumpra seu destino.

O Partido III
Inteligências das trevas voltam sua artilharia para o Plano Piloto da Capital Federal, utilizando toda espécie de ardis. Guardiões superiores enfrentam os magos negros e as suas hordas. Mas, dependem das aspirações e realizações humanas. Em tempos difíceis de crise moral e a quase falência da politica e dos políticos, o livro é indicado aos que gostam desse tipo de literatura. Publicação deixa claro que a solução definitiva dos problemas brasileiros, de toda a ordem, depende dos encarnados, dos seres vivos. Livro serve para despertar a consciência sobre os valores éticos e a prática do bem, no combate ao mal. É um alerta ao momento gravíssimo vivido pelo Brasil e a necessidade de condenar o crime, a corrupção e salvar a Lava-jato.

Eduardo
Deputado Eduardo Loureiro, visitando as bases ou recebendo no gabinete, abriu a segunda metade do seu primeiro mandato. Se os próximos dois anos tiverem a intensidade dos primeiros, estará aplainando o caminho para reeleger-se, ou seguir novos rumos, na esfera federal. Em uma das ultimas sessões do legislativo, foi reconduzido à presidência da Comissão de Assuntos Municipais. Na esfera municipal esta envolvido na ampliação do Hospital Santo Ângelo. Seu empenho é dirigido à busca de recursos. Projeto orçado em 28 milhões de reais ampliara e qualificara atendimento a população.

Indenização
Depois de o STF determinar que presos em celas superlotadas, devem ser indenizados, questiono: como ficam os doentes em hospitais superlotados. Eles também merecem indenização. Melhor seria que os estados melhorassem os presídios, evitando indenizações e que a saúde pública seja bem tratada, impedindo o STF de mandar pagar a quem venha demandar contra as superlotações hospitalares. São necessários presídios e hospitais dignos.

Ser Missioneiro
Anos atrás publiquei na coluna serie Ser Missioneiro. Depoimentos serão republicados a partir desta coluna. Iniciando, o empresário Flavio Panzenhagen:
“Amar a nosso querido Santo Ângelo incondicionalmente é requisito básico no meu entendimento, para se denominar um Missioneiro. No dia a dia temos que enfrentar as dificuldades de cabeça erguida, onde o ‘Espirito Missioneiro’ deve ser exaltado em verso e prosa. Somente morar em uma capital missioneira já é digno de estufar o peito e gritar aos quatro cantos que ‘Esta terra tem dono’. Cidade perfeita no mundo, só existe dentro do coração de cada um. Toda comunidade tem dificuldades e provações. Mas sendo Missioneiros, com o Espírito do Índio Sepé Tiaraju, com certeza, estaremos sempre em busca de dias melhores, aos nossos e aos seus. Quem aqui reside deve se orgulhar de morar em uma terra de batalhadores e aqueles que daqui foram embora, sintam saudades desse chão sagrado. Somos Missioneiros, lutamos e perseveramos. O sol nasce para todos, mas brilha somente para os de coração e alma Missioneira”.
 

 Jornalista, com passagem por diversos jornais e rádios do Rio Grande do Sul, atualmente coordena o projeto Santo-Angelenses. Escreve nas edições de sábado. 

Email: pedro.a.s.belmonte@hotmail.com

Mais artigos de Pedro Belmonte