Coluna de Pedro Belmonte

Carne
25 de Março de 2017 às 09:22

Resultados da operação ‘Carne Fresca’, da PF, apontam a produção de carne e embutidos sem as normas de higiene. Investigação, que durou dois anos, revelou a utilização de carnes estragadas na fabricação de salsichas e linguiças, maquiagem de carnes estragadas, carnes sem rotulagem e refrigeração. Problemas refletiram na Comunidade e Europeia, que pediu explicações e providencias, Coreia do Sul e Chile. Espera-se uma fiscalização maior, controlando a qualidade e sanidade, para evitar o descrédito do setor, mesmo que considerados como casos pontuais. Consumidor deverá redobrar cuidados. Havendo dúvidas na aparência e no cheiro, não compre. Presidente Temer tentando mostrar a qualidade da carne levou ministros e embaixadores a comer picanha numa churrascaria de Brasília, ao custo de R$ 119,00, por pessoa.  Detalhe: picanha era importada!

Listas
Lista do fim do mundo ou da vergonha? Conotação verdadeira da lista do procurador-geral, Rodrigo Janot, conhecida a conta gotas, é ser nociva ao país. Mostra a necessidade de se eleger gente decente.  Envolvidos estão há mais de uma década ocupando esses lugares na Câmara e no Senado, remetendo a revisão no sistema político. Claro não como pretendem alguns dos investigados na Lava-jato. Enquanto isto será preciso punir aos envolvidos. Situação atual resulta da proliferação dos métodos adotados pelo PT, objetivando perpetuação no poder, depois utilizados por políticos de quase todas as siglas partidárias.

Aniversário
Lava-jato completou três anos, sobrevivendo às pressões do Congresso e sem recuos. Procurador Dalton Dallagnol comemorou, afirmando que a operação está no auge. Nove dos dez partidos com maiores bancadas na Câmara têm políticos investigados e citados na Lava-jato.

Aeroporto
Deputado Eduardo Loureiro exultante com certificação do Aeroporto Regional Sepé Tiaraju. Anac expediu Certificado de que o aeroporto está em condições de receber aeronaves com capacidade de 70 lugares.

Down
Desdobramento da 1ª Edição da Semana Estadual de Conscientização sobre a Síndrome do Dow, embasada na lei do deputado Eduardo Loureiro, remete-me a matéria jornalística que desenvolvi, sobre essas pessoas merecedoras duma vida inclusiva, digna e livre de preconceitos. Para escrevê-la ouvi envolvidos e me vali de ‘O Guardião de Memórias’, da escritora Kim Edwards. Livro narra história de Henry e Norah, pais do casal de gêmeos Paul e Phoebe. Paul nasceu saudável e Phoebe com sinais da síndrome. O pai, médico, decidiu poupar a si e a esposa do que considerou ‘sofrimento’ de criar Phoebe, com problemas e a entregou à adoção. Nos 25 anos seguintes, decisão minou o que restou da família. Culpa causou males, problemas angustiantes e as feridas não cicatrizaram.  Paul sentiu a indiferença dos pais culpados. Phoebe, noutra cidade, cresceu feliz, dignamente, graças ao amor da mãe adotiva.

Reencontro de santo-angelenses
Será dia 15 de abril, no Gaúcho. Mesas custam R$ 280,00 e ingressos R$ 70,00, ambos com direito a janta. Informações com a presidente Marisa Meneghetti, celular (51) 99874-7782 ou na secretaria do clube. Os Fugitivos, Os Legais, Noly Moreira e DJ Paulo Klitzke são atrações confirmadas. Chancela é da Associação dos santo-angelenses em Porto Alegre e apoio do Clube Gaúcho e Grupo Viva Gente Santo Ângelo.

Ser Missioneiro
Reproduzo depoimento de Sérgio Damian.
 “Quem nasceu no doce colo da terra missioneira é uma criatura abençoada. Das pessoas missioneiras há muito de bom a se falar. O missioneiro é generoso, acolhedor, hospitaleiro e sem maldade no coração. Para os daqui, todos são bons, salvo prova em contrário. O missioneiro é um apaixonado. Pela cultura originária dos galpões, dos bailes, saraus e quermesses. Pelos rodeios, onde se revelam as habilidades campeiras. Pelos bailes com danças e ritmos bem definidos, como as vaneiras, xotes e vaneirões. A mulher missioneira é a prenda. Denominação esta muito adequada. A mulher daqui sabe amar, cativar, falar, cantar e encantar, com seus atributos naturais e sua cultura requintada. Mas vai muito além, sabe cuidar da casa, tem sabedoria, é ativa e criativa. Entrar na casa de uma prenda é algo que encanta qualquer vivente. Dos campos de terra vermelha brota uma variedade imensa de frutos nativos, como a pitanga, o araçá, o butiá, o sete-capotes, a goiaba, a guabiroba, a cereja, o coquinho, e tantos outros que fazem a alegria da gurizada campeira. Há, também, uma infinita variedade de frutos exóticos, como o caqui, a bergamota, a laranja, o abacate, a pera, as ameixas, o pêssego, as uvas, e outras espécies que tão bem se adaptaram ao nosso solo e clima, revelando um grandioso potencial de produção de alimentos que beneficia a todos. Dos campos, fazendas e granjas vem a produção de uma gama esplêndida de alimentos, como o milho, o arroz, o feijão, a batata, o trigo, a abóbora, dentre outros. Da pecuária vem a carne e o leite bovino, o suíno, as aves, e as ovelhas e outros animais. A história da nossa terra é dramática e reveladora. Desde as guerras guaraníticas, com o Sepé Tiarajú e os Padres Jesuítas, a Revolução Farroupilha, e outros fatos importantes como a Coluna Prestes, até os dias de hoje se revelam figuras altivas e de grande valor cívico e religioso, que enobrecem o povo missioneiro. Assim, é uma verdadeira bênção ser missioneiro e poder vivenciar esta terra maravilhosa, com seu clima diferenciado por quatro estações bem definidas, seu povo de cultura específica e a generosidade da terra, que fazem deste lugar o que se pode chamar de inigualável terra missioneira”.

 Jornalista, com passagem por diversos jornais e rádios do Rio Grande do Sul, atualmente coordena o projeto Santo-Angelenses. Escreve nas edições de sábado. 

Email: pedro.a.s.belmonte@hotmail.com

Mais artigos de Pedro Belmonte