Coluna de Pedro Belmonte

Ulysses
29 de Abril de 2017 às 08:00

Em abril de 1984, na Capital gaúcha, fui apresentado ao deputado Ulysses Guimarães. Ele, Lula da Silva, Pedro Simon, Leonel Brizola, Miguel Arraes e o deputado Dante de Oliveira – autor do projeto das eleições diretas – participaram do comício das ‘Diretas Já’, em Porto Alegre. O largo da Prefeitura superlotou animado pelas vozes do locutor oficial Osmar Santos e de Fafá de Belém. Em 1987 numa viagem a Brasília, tornei a vê-lo. Ulysses tinha jeito professoral, estava envolvido nos trabalhos constituintes. No ano seguinte o Brasil ganharia sua nova Carta Magna.

Ulysses II
Ele que fora considerado o ‘Senhor Diretas’, promulgou a nova Constituição Federal, a denominando de ‘Cidadã’. Era, então, presidente da Câmara. Gosto de uma de suas inúmeras frases, emblemática e definitiva, sobre o ideal do ente politico.  Para Ulysses, o politico não deveria roubar, não deixar roubar e se roubar, ser preso.  Morreu na queda do helicóptero que o conduzia a Angra dos Reis. Seu corpo jamais foi encontrado. Ulysses Guimarães ficou encantado. Em momento de obscurantismo como este, um politico como ele faz imensa falta.

Portaria
Aparentemente os santo-angelenses e moradores de municípios vizinhos poderão decolar nas asas da Azul. O indefectível deputado Eduardo Loureiro, incansável na retomada do transporte aéreo entre as missões e Porto Alegre, questiona ao final da nota publicada na sua página da Internet: ‘Vamos decolar?’ – escreve o parlamentar. Parece que agora vai. A publicação no DO da União, autorizando os voos por instrumento no aeroporto da cidade, atende a solicitação da companhia aérea Azul. Portaria de 19 de abril foi expedida pela Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária, assinada por seu titular, Fábio Rabbani.

Dono
É de Lula da Silva o tríplex do Guarujá. Também é do ex-presidente o sítio de Atibaia. Mais, ele mandou o dono da OAS, Leo Pinheiro, destruir os documentos  que evidenciassem os pagamentos, o que não foi cumprido. Empreiteiro da OAS confirmou ao juiz Sergio Moura que os pagamentos foram feitos com propinas de obras da Petrobras. Tríplex não foi transferido  para o nome de Lula da Silva, a pedido do ex-tesoureiro, João Vacari.  Tudo se esclareceu com os depoimentos de Pinheiro e as delações dos executivos da Odebrecht.

Personagens
‘Crônica do Tempo’, segunda edição, continua sem data definitiva para ser lançado. Livro de reminiscências incorpora em suas páginas um elenco de personagens que ajudaram a escrever a historia contemporânea de Santo Ângelo. Ele estaria pronto a ser remetido a gráfica não fosse a falta de dois importantes depoimentos. Dois cidadãos, dois amigos, Pedro Osório Nascimento e Wilmar Campos Bindé. Com o advogado Pedro Osorio está tudo encaminhado, me vali de seu filho, meu amigo, Tulio Nascimento, a quem entreguei a ‘Missão a Garcia’.

Personagens II
Quando for, proximamente, a Santo Ângelo, manterei contato com Wilmar Bindé,  advogado, acadêmico, escritor, pesquisador, historiador e delegado de polícia aposentado. O conheço desde os anos1960, como delegado de polícia e, em seguida, delegado regional, seu primeiro titular. Foi grande amigo e colega de meu pai, Ademar, que com Nelson Alves de Andrade, Cícero Padão Samuel, Darci D’Ávila Dornelles, Davi Pereira Fortes, dentre tantos, participaram do início da modernização dos serviços policiais no município, com a implantação da Delegacia Regional, CIRETRAN e demais órgãos ligados à PC. Foi também professor e chefe da Secretaria da Faculdade de Direito.

 A dúvida Palocci
Declaração feita por Antônio Palocci, ao final de seu depoimento, merece ser mais bem verificada. O aventado trabalho extra da Lava-jato para apreciar suas ‘informações’, será apenas contra o PT e seus aliados mais próximos, ou se espraiará por todos os partidos? O ‘italiano’ – epiteto que nega de pés juntos – não deve estar pensando em recontar o que já se conhece. Imagino o super-ministro da Fazenda dos governos petistas, irá mirar alvos que eventualmente não estejam sendo apontados. Mas, quais serão eles? Aguardaria, caso seja aceita a ‘oferta’ do ‘italiano’, surpresas, atingindo nomes até aqui fora do rol da Lava-jato. Enfim, na área politica e na imprensa, são aguardadas novidades bombásticas a serem reveladas por Palocci. Eu não esperaria tanto. Mesmo magoado  com Lula da Silva, Dilma e outros pró-homens petistas, não espero venha a acrescentar novidade.  Algo novo especula-se, seria  Palocci atacar ao ex-presidente e sistema financeiro, incluindo bancos. Aguardemos.

Ser missioneiro
Na reapresentação da serie,  Mauro Azeredo, rio-pardense, advogado, jornalista, delegado de policia aposentado, ex-vereador, prefeito, deputado, dá sua opinião: “Ouvira falar sobre a história das missões, mas tive a felicidade de conhecê-la; ela me ensinou muito, e me fez amá-la pelo calor humano do seu povo. Ela abrigou o nascimento de meus filhos e me abriu as portas para a felicidade. Cidades encantadoras, místicas, capazes de dar vazão à sensibilidade humana, de terra cor do sangue, de um passado rico traduzido pela opulência e pela luta tenaz dos jesuítas. Suas ruas tomadas de árvores, substituídas ao longo dos anos, permitiram o surgimento de prédios de todos os tamanhos, facilitando o ir e vir diário das pessoas para o trabalho, para o ensino e para a diversão. Todos com os mesmos direitos e as mesmas obrigações. Vim profissionalmente e vinte anos de convivência com a população significaram pouco tempo – queria ficar muito mais. Porque as missões tomaram o meu coração e a ela devo ser grato sempre.  A felicidade mora nas missões, e sou missioneiro não pela presença física, mas pelo que a região me ensinou, mostrando o caminho da dignidade e do respeito ao semelhante”.
 

 Jornalista, com passagem por diversos jornais e rádios do Rio Grande do Sul, atualmente coordena o projeto Santo-Angelenses. Escreve nas edições de sábado. 

Email: pedro.a.s.belmonte@hotmail.com

Mais artigos de Pedro Belmonte