Coluna de Pedro Belmonte

Centenário
06 de Maio de 2017 às 17:35

Neste mês serão comemorados os 100 anos das aparições da Virgem Maria, em Fátima. Ela recomendou devoção ao Rosário aos pastores Lúcia de Jesus, Francisco e Jacinta Marto, em Ajustrel, freguesia de Fátima, Portugal. Aparecia sobre uma azinheira de cerca de um metro. Foram seis aparições de 13 de maio a 13 de outubro de 1917. As crianças brincavam na Cova da Iria, quando viram dois clarões e, em seguida, uma Senhora. Brilhava mais que o sol toda vestida de branco. A face, de rara beleza, era séria com ar de ‘suave censura’ – segundo Lúcia. As mãos estavam juntas, como a rezar, apoiadas no peito e voltadas para cima. Da mão direita pendia um Rosário. As vestes pareciam feitas de luz. A túnica era branca, assim como o manto, orlado de ouro, que cobria a cabeça da Virgem e lhe descia até aos pés.

Centenário II
Em 13 de julho, mostrou o inferno aos pastores – primeira parte do Segredo de Fátima. Segunda trata do castigo e os meios para evita-lo (como a prática do Rosário). Terceira, revelada anos atrás pelo Vaticano, refere-se ao atentado contra o Papa João Paulo II, do qual escapou por intercessão da Virgem. Foi na última aparição que Maria revelou sua identidade as crianças: “Sou a Senhora do Rosário” –  disse simplesmente. Depois do colóquio de Maria com Lúcia, começou a elevar-se serenamente, subindo em direção ao nascente até desaparecer. A luz que A circundava, ia como que abrindo caminho no cerrado dos astros. 

Entrevista
Foram tantas, mas aquela foi das melhores entrevistas que fiz.  Aproximava-se  o dia  em que Leonel Brizola, retornaria do exílio. Por que não ouví-lo antes de ele viajar a São Borja? Consegui com o líder trabalhista,  Brilmar Zimermann Desengrini,  seu telefone. Liguei  da Sepé, ao Roosevelt Hotel, em Nova Iorque.  O ouvi por meia-hora. Falava muito, deixando pouco espaço ao entrevistador. Lembrei-me de uma frase sua: “Basta-me um microfone para destruir meus inimigos”. Não era o caso. Divisor de águas ocorreu em  1961, na Legalidade.  Passou de protagonista à personagem principal. Possuía um arsenal de frases de efeito. Era mordaz com seus desafetos  ocasionais. Lula da Silva era o ‘sapo barbudo’. Moreira Franco o ‘gato angorá’, apelido que pegou, pois assim é conhecido hoje na Lava-jato.  Havia as tiradas, como ‘perdas internacionais’, referindo-se  à evasão de recursos e os clássicos ‘filhotes da ditadura’ e ‘mauricinhos e patricinhas’, conceituando os políticos pós-revolução. Faleceu no dia 21 de junho de 2004, no Rio, aos 88 anos, sem alcançar seu objetivo de ser presidente da República.

Nostalgia
Lembro-me de produtos da preferência dos consumidores, anos passados. Camisas de ban-lon, nycron; calças e casacos de tergal, chinelas de dedo e alpargatas. Óleo de Fígado de Bacalhau, Biotônico Fontoura, Fimatosan. Sabonetes Lever, Quatro Estações e Palmolive. Para o cabelo Gumex, Glostora, Loção Brilhante e Brylcrem. Creme dental era Kolynos. Tênis eram Kichute e Conga. Sapato Passo Doble.  Camisas Volta ao Mundo, quentíssimas, não necessitavam passar. Desodorante, Avanço. Cigarros, Continental, Hollywood, Belmont, Mistura Fina, Hudson, Presidente e Hilton. Refrigerantes Coca e Pepsi Cola, mas, também, bebia-se Crushe, Laranjinha, Minuano Limão, guaranás Antarctica e Brahma. Sabão em pó, Rinso.

Olívio
Ex-governador Olívio Dutra continua surpreendendo em suas posições. Em ato promovido pelas centrais sindicais, Olívio se mostrou contrário ao pagamento obrigatório do imposto sindical.

Boff
Teólogo Leonardo Boff,  depois de criticar ao PT, ameaçou sair de cena, do cenário vivido desde os tempos da Teologia da Libertação, nascida das suas inquietações. Atitude do frei,  cobrando ‘séria autocritica ao PT’ para ‘se redimir dos erros cometidos’, ainda repercute.  Motivos apresentados estiveram nas mídias nacional e internacional. Diz-se, com alguma maldade, ser ‘jogo de cena’. Pode ser afinal, Boff apoiou o Foro de São Paulo, votou em e fez campanha para Lula da Silva e Dilma Rousseff.  Ficaria feio tirar o corpo fora, agora. Tentou  justificar rompimento: “A mim não interessa o partido, mas a causa dos empobrecidos”. Especula-se, Boff estaria apontando  necessidade de o PT se refundar, adotando discurso ‘construtivo’. 

Fenamilho
Demonstrando a  força do evento internacional, abertura oficial da Fenamilho, foi prestigiada pelos ministros Osmar Ferra, do Desenvolvimento Social (representando ao Presidente Michel Temer), Marx Beltrão, do Turismo, políticos, empresários e autoridades argentinas e paraguaias.  Reafirmando seu compromisso com o  desenvolvimento do setor na região missioneira,  Beltrão  observou  que a base do nosso turismo ‘está pronta’.

Atividade
Deputado Eduardo Loureiro notabilizando-se na sua posição contrária as privatizações. Presidindo a Frente Parlamentar contra a privatização da Corsan, têm mobilizado dirigentes, parlamentares e líderes sindicais, em defesa da estatal. Outro motivo de satisfação do deputado é a confirmação do voo  inaugural da Azul para 3 de julho. Informação a Eduardo partiu do secretário dos Transportes, Pedro Westphalen. Ligação entre Santo Ângelo e Porto alegre será as segundas, quartas, sextas e aos domingos. Existe promessa dos voos serem ampliados para sete, em setembro.

Protesto-paralisação
Para o governo, fiasco. Para a CUT, o PT e sindicatos promotores, a maior greve da história. Para esmagadora maioria da população de 24 estados e o DF, protesto-paralisação da sexta-feira, foi de sofrimento, perda da liberdade de ir e vir. Coerção  física e moral praticada  por alguns manifestantes foi  antidemocrática.

Etchegoyen
Cresce  cotação do general Sergio Westphalen Etchegoyen para comandante do Exército. Atual Chefe do Gabinete Institucional da presidência terá de ser promovido. Natural de Cruz Alta é filho do falecido general Leo Guedes Etchegoyen que, quando coronel,  comandou a guarnição de Santo Ângelo. 

 Jornalista, com passagem por diversos jornais e rádios do Rio Grande do Sul, atualmente coordena o projeto Santo-Angelenses. Escreve nas edições de sábado. 

Email: pedro.a.s.belmonte@hotmail.com

Mais artigos de Pedro Belmonte