Coluna de Pedro Belmonte

‘Legalidade’, o filme
03 de Junho de 2017 às 07:30

Em processo de filmagem, com locações no RS, histórico episódio da ‘Legalidade’.  Breve, em exibição nos cinemas do Brasil. Movimento é uma pagina inserida nas historias rio-grandense e brasileira.  Recordando:   Sexta-feira, 25 de agosto de 1961, em Porto Alegre, recado recebido pelo governador Leonel de Moura Brizola, passado por seu secretário de imprensa, Hamilton Chaves, informava que o presidente renunciara. Jânio Quadros fizera mais de oito milhões de votos, naquele tempo significativo. Apoiado pela igreja, mantendo esse apoio depois de eleito, inclusive pelo exército e pela classe média, surpreendeu ao renunciar. Mais surpreendente, a posição das classes dominantes e setores do exército, contra a posse do vice-presidente, João Belchior Marques Goulart que estava fora do país numa missão oficial, na China. 

‘Legalidade’, o filme II

Lembro que depois de o governo do Estado requisitar a Guaíba como emissora oficial da ‘Legalidade’, chegaram ao escritório da Marechal Floriano, 1212, em Santo Ângelo, onde eu trabalhava com Rodney Sales Nogueira e Luiz Carlos Mazuco dos Santos, equipamentos de som e farto material para ser usado no cadastramento de voluntários à luta deflagrada por Brizola. Eu, Rodney e Luiz, cujos pais eram ligados a Getúlio Vargas e João Goulart, estávamos, definitivamente, dentro dos acontecimentos da ‘Legalidade’. Dos porões do palácio Piratini brotava o som irradiado por uma cadeia de emissoras e postos de alto-falantes – como o nosso. Brizola discursava em meio à leitura de manifestos, de três em três minutos. Tudo pelo direito de o presidente constitucional tomar posse. Foram inesquecíveis e duros momentos, vividos dia e noite, até que João Goulart tomasse posse.    Agora é aguardar e revermos no cinema os principais acontecimentos que abalaram o Rio Grande do Sul, há 56 anos.

AMM, 50 anos

Os 50 anos da AMM estão sendo comemorados. O deputado Eduardo Loureiro, que presidiu a entidade que congrega os municípios missioneiros por duas vezes, participou das festividades do cinquentenário em Guarani das Missões. A Associação dos Municípios das Missões foi fundada em reunião realizada em Cerro Largo no dia 28 de maio de 1967. Na quarta-feira (31), no Grande Expediente,  o parlamentar promoveu homenagem a AMM no plenário da Assembleia Legislativa. Foi outorgada na ocasião, Medalha da 54ª Legislatura a entidade. A AMM neste meio-século se constituiu na porta-voz dos  26 municípios que a compõem, encampando suas prementes reivindicações. 

ISS
Derrubada do veto presidencial, pelo Congresso (veto impedia os municípios de cobrarem  o ISS), representara mais dinheiro para áreas vitais como saúde, educação e estradas, dentre ouros. Entre os mais satisfeitos com a vitória do municipalismo, encontra-se o deputado Eduardo Loureiro. De lembrar-se, o parlamentar  ao presidir a Comissão de Assuntos Municipais da AL, promoveu audiências e mobilizou seus pares, sobre a importância em derruba-lo.

TSE
Jogo pode estar virando. Refiro-me a sorte do presidente Temer no julgamento da chapa presidencial,  a partir de terça-feira (6), no TSE. Alguns congressistas esperam que os integrantes do Tribunal cassem a chapa Dilma-Temer, evitando desgastes de votarem o impeachment. Ministros do TSE não escondem as pressões. Semanas atrás o panorama era favorável a Temer, mas estaria mudando. Porém,  ninguém aposta no resultado.  Presidente Gilmar Mendes, que purga seus pecados,  vem dizendo que tudo pode acontecer. Comenta-se um  pedido de  vistas, para delonga-lo. Como dizem os ‘hermanos’,  ‘a despacito, no más’.

Ministra
Presidente do STF ministra  Carmem Lucia deu puxão de orelha nos senadores e deputados oposicionistas que foram protocolar   ação contra o decreto presidencial que convocou o Exercito para garantir a ordem em Brasília.  “A hora é de calma, serenidade e cumprimento a lei” – observou a ministra. Lembrou que “o STF não é um espaço politico e sim uma casa em que aplicamos o Direito”. Ao encerrar o encontro, Carmem Lucia disse: “ Ou o Brasil se salva  com a Constituição, ou vamos ter mais problemas. Se não se acreditar  mais nas instituições, poderemos, ai sim, ter crises institucionais serias”. Recado dado.

Ministro
Troca de ministros da Justiça. Saiu Osmar Serraglio, entrou  Torquato Jardim.  Novo Ministro não viu problema no encontro de Joesley com Temer. Sobre mudanças no comando da Policia Federal, tudo pode acontecer. Teme-se pela Lava-jato. Troca, diz-se, pode melhorar relacionamento entre o Executivo e os tribunais da República.

Rejeição
Conforme o Instituto Paraná Pesquisas, 71% dos eleitores rejeitam a Lula da Silva para 2018. Até no Nordeste a rejeição é de 55,9%. Geraldo Alckmin tem 61,9%, Aécio Neves 56,7%, Marina Silva 56,6% e José Serra 56,4% de rejeição.

Ser missioneiro
Na reedição dos depoimentos, Bruno Krug, Palestrante Motivacional, Instrutor de Cursos Empresariais e de Desenvolvimento Humano
“Seguidamente ouvimos falar em ‘espírito missioneiro’ ou ‘eu sou das Missões’. Para quem é de longe isto fica meio vago, até porque para muitos é apenas uma forma de dizer de onde viemos, ou onde moramos, ou seja, viemos do noroeste gaúcho, da região das Missões jesuíticas.     Mas creio que muito mais importante do que apenas pensar em localização espacial, devemos olhar para o lugar de onde viemos e descobrir a profundidade do ‘espírito missioneiro’,  lembrar e valorizar os princípios difundidos pelos pregadores missioneiros, para os quais a união, fraternidade, foco no grupo, na espiritualidade e no trabalho em equipe está acima do individualismo e do quanto ‘eu ganho’, para pensar no que ‘a comunidade’ a qual pertencemos ganha e precisa. Isto é saber valorizar a origem verdadeira de ser missioneiro”.

 Jornalista, com passagem por diversos jornais e rádios do Rio Grande do Sul, atualmente coordena o projeto Santo-Angelenses. Escreve nas edições de sábado. 

Email: pedro.a.s.belmonte@hotmail.com

Mais artigos de Pedro Belmonte