Coluna de Renato Schorr

Estrada perdida
09 de Março de 2017 às 08:00

Todo trajeto percorrido é caminho sem volta! A caminhada finda é impossível de ser refeita! Absolutamente irreversível, refazer uma trajetória antes realizada. Na melhor das hipóteses, o percurso pode ser objeto de novo trilhar! Ainda que se propale aos tantos ventos, a missão é absolutamente inviável. No mesmo sentido, uma oportunidade se apaga no exato da sua oferta, quer seja aproveitada ou não. Outro momento pode se abrir na vida da gente, contudo, a “oferenda” se esvai juntamente com o tempo em que ela esteve ao nosso alcance.

O nosso passado, ainda que sólido, balizado, pavimentado, canalizado, estruturado e capaz de nos oferecer solidez, para a vida toda, independente do tempo da permanência nesta seara terrena, se mostrará um estrada perdida. Estrada perdida, porque nos espelhamos nas estrelas que vêm, dançam, se banham e lá se vão, sequer, deixando rastros! Dessabemos, suas marcas, por indeléveis, podem facilmente ser substituídas, por outras, de igual forma e substâncias “enganando-nos! Todo homem provém de algum rincão e quando deixa-o, por vezes, afirma: Para cá - nunca mais! Quando muito, retorna espichando o pescoço, feito socó, por detrás do morro e....! A própria estrada se sente perdida.

Existem inúmeros indicativos sobre humanos na terra. Há conjecturas, teses, hipóteses, certezas e convicções defendidas acirradamente, por opinadores extremamente convictos, com base em elementos já superados, esses, confrontando com fontes cientificamente comprovadas, sobre a presença de seres dotados de inteligência avançadíssima, havia milhares e milhares de anos além, das máximas doutrora! O avanço tecnológico atual, permite conclusões mais precisas sobre objetos, sinais, marcas, escritos e demais elementos encontrados ao longo do tempo.

Dados atuais comprovam que o ser conhecido como homem viveu, no Brasil a mais de cento e cinquenta mil anos, no Brasil, os quais poderão determinar uma revisão sobre das teorias sobre a ocupação recente da América do Sul. Em diversos países do mundo há vestígios contundentes da presença de seres altamente inteligentes, ainda da construção de edificações, cujo material, possivelmente, cortado com instrumentos desconhecidos, diante da sua precisão e das dimensões. Há obras (esculturas) realizadas de cima para baixo, com invejável precisão e brilhantismo escultural. Além do material utilizado, considerado de qualidade infinitamente superior ao conhecido dos técnicos atuais.

Os cientistas concluem pela passagem ou existência na terra, de seres humanos, em tempos longínquos, com uma capacidade intelectual incrível. Até o presente momento, inexistem publicações, ou melhor, de nós desconhecidas, sobre a identidade, origem e o destino delas. Contudo, é algo entusiasmante, seguir a trilha dos pesquisadores, tomar conhecimento e desenvolvimento das atividades, algo maravilhoso, em especial, aos apreciadores da história.

Em todas descobertas, quer nos desenhos, pinturas, esculturas e demais manifestações, é possível verificar a existência de homens e mulheres, logo, de longa data, há o enlace de pares, resultando na procriação. Portanto, a mulher sempre ocupou o seu espaço, teve o seu lugar e cumpriu a sua missão. À elas, os mais respeitosos cumprimentos. Embora, há indícios de uma civilização de mulheres guerreiras, isso será motivo de outro texto!

Advogado e tradicionalista. Escreve nas edições de quinta-feira.

Email: renatinhoadv@yahoo.com.br

Mais artigos de Renato Schorr