Notícias: Cultura

Acesso ao sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo estará fechado ao público hoje pela manhã e no dia 28

Servidores do Parque Histórico Nacional das Missões apoiam greve de servidores da Cultura

22 de Maio de 2014 às 08:00
Acesso ao sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo estará fechado ao público hoje pela manhã e no dia 28
Sítio Arqueológico ficará fechado nesta quinta-feira pela manhã e durante todo o dia 28 de maio. Fotos: Arquivo/JM

Servidores do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) que atuam no Parque Histórico Nacional das Missões (Iphan/Missões) têm paralisação das atividades prevista para a manhã de hoje (22), das 9h ao meio-dia, e para o dia 28, das 9h às 18h. A decisão, em apoio à greve em nível nacional não apenas de servidores do Iphan, mas também do Ministério da Cultura como um todo e instituições vinculadas – no Iphan/RS, iniciada na terça-feira –, foi tomada em assembleia dos servidores do Parque Histórico no dia 14.

O Parque Histórico Nacional das Missões, com atividade administrativa em São Miguel das Missões, é constituído pelas áreas dos quatro sítios missioneiros: os sítios arqueológicos de São Miguel Arcanjo, em São Miguel das Missões, de São Lourenço Mártir, em São Luiz Gonzaga, de São Nicolau, em São Nicolau, e de São João Batista, em Entre-Ijuís, todos tombados pelo Iphan. Durante as paralisações, o acesso ao sítio arqueológico de São Miguel das Missões estará fechado ao público – operarão normalmente somente os serviços terceirizados de vigilância, limpeza e jardinagem.

“No momento, no Parque Histórico, estão previstas somente as paralisações. Dependendo do avanço das negociações, poderemos até cancelar a paralisação do dia 28. Mas, por outro lado, teremos uma assembleia no mesmo dia 28 e, caso a situação se mantenha assim, poderemos optar por aderir à greve já existente no Estado”, diz Jorge Luis da Silva Lima, assistente administrativo do Parque Histórico e secretário-adjunto da área financeira do Sindicato dos Servidores Federais do Rio Grande do Sul (Sindiserf/RS).

REIVINDICAÇÕES

Algumas das reivindicações da categoria são a recomposição da tabela remuneratória do Plano Especial de Cargos da Cultura (PECC) tendo como parâmetro a tabela da Agência Nacional do Cinema (Ancine); a isonomia de vencimentos para o setor da cultura; a unificação da categoria, com um plano de carreira para os servidores da cultura; e a antecipação da parcela de 2015 do aumento salarial negociado com o governo – o aumento negociado foi de 15%, dividido em três anos, a partir de 2013.

“Gostaríamos que os valores dos nossos vencimentos pelo menos acompanhassem a inflação. Se tivéssemos uma data-base, poderíamos pelo menos negociar isso. Mas, como não há esse acompanhamento, pedimos a antecipação da parcela de 2015”, expõe Jorge Luis. “Os cargos dos quadros de pessoal que integram a PECC têm, em comparação com outras carreiras, um dos mais baixos salários da administração pública federal.”

“É UM DESCASO MUITO GRANDE”, ANALISA SERVIDOR

Os servidores também reclamam do que consideram uma falta de receptividade a diálogos por parte do governo federal. “Desde quando a atual ministra da Cultura, Marta Suplicy, assumiu, em 2011, foram encaminhados vários documentos, diversos pedidos de reunião, e até hoje não recebemos nenhum parecer, nenhuma luz quanto à possibilidade de reuniões. É um descaso muito grande”, finaliza o servidor.

Em contato do Jornal das Missões, a superintendente substituta do Iphan/RS, Ana Maria Bones Beltrami, apenas confirmou que os servidores da instituição aderiram à greve. “Em relação às outras perguntas, não tenho como responder. Tens que entrar em contato com o Ministério da Cultura”, declarou. O JM contatou o Ministério da Cultura, mas não obteve retorno.

Fotos vinculadas

Jorge Luis da Silva Lima, 
assistente administrativo 
do Parque Histórico

Por Murian Cesca (murian@jornaldasmissoes.com.br)

Fonte: Jornal das Missões

Mais Notícias: Cultura