Notícias: Economia

Suinocultura se destaca como mais uma alternativa de renda aos agricultores

Em Santo Ângelo, 13 suinocultores produzem mais de 40 mil suínos anualmente

03 de Dezembro de 2011 às 17:00
Suinocultura se destaca como mais  uma alternativa de renda aos agricultores
Porcos são vendidos para o Frigorífico Alibem quando atingem o peso de 113 quilos

 Pequenos e médios produtores de Santo Ângelo estão encontrando na suinocultura uma alternativa para aumentar a renda e permanecer no campo. O município está desenvolvendo vários projetos e programas na agricultura e na suinocultura, através da integração dos agricultores com o Frigorífico Alibem.

A proposta do Frigorífico é fornecer ao produtor o leitão para engorda, ração, assistência técnica e medicamentos, além do transporte do suíno da granja até o abatedouro. Os produtores que fazem parte desta parceria também têm mercado consumidor garantido.

Em Santo Ângelo, 13 agricultores são integrados com capacidade de produção de 40 mil suínos por ano, em 3 lotes. Cada suinocultor é responsável em produzir uma média de mil porcos, em cada lote.

Toda a produção vai para o Frigorífico Alibem, que abate 2,1 mil cabeças/dia, totalizando 756 mil por ano.

O suinocultor Fernando Sidnei Hunger, da localidade de Buriti, comemora o bom momento que vive o setor. “Apostamos na suinocultura como mais uma alternativa de renda à pequena propriedade. Aqui a gente se ‘enterte’ com esses animais e quando eles são levados para o Frigorífico a gente até fica triste”, diz.

Os leitões chegam na propriedade dos Hunger com apenas 20 quilos e são levados para o abate com pelo menos 113 quilos, cada um. A pocilga tem capacidade para criação de 520 porcos, que representa um lote.

A cada três meses, Fernando Hunger vende um lote para o Frigorífico Alibem e com isso, recebe até R$ 8 mil. Por ano, são vendidos mais de 2 mil suínos, o que representa um ganho de mais de R$ 22 mil. “A Prefeitura, através da Secretaria de Agricultura e de Transportes tem sido uma grande apoiadora nossa. Quando construímos a pocilga, conseguimos a terraplanagem, as esterqueiras, a instalação da rede de água e depois, ganhamos a melhoria na estrada de acesso à nossa propriedade para facilitar o transporte dos suínos até o Frigorífico”, afirmou Hunger.

Da produção, Fernando Hunger extrai o esterco líquido que é utilizado como adubo na propriedade. “O principal nutriente do adubo é o nitrogênio que melhora a estrutura do solo”, explica.

No futuro, o suinocultor pretende construir mais uma pocilga com capacidade de criação de mais 520 suínos.

A Secretaria de Agricultura continua investindo na suinocultura. O secretário Diomar Lino Formenton enfatiza que foi encaminhado um projeto ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que poderá beneficiar o setor com recursos para a aquisição de três distribuidores de esterco que serão destinados a agricultores residentes próximas às pocilgas. “A ideia é que todo o esterco que não for utilizado nas propriedades, seja destinado aos vizinhos”, frisa.

Por Odair Kotowski

Fonte: Jornal das Missões

Mais Notícias: Economia