Notícias: Geral

Unidade de saúde do Presídio Regional deve começar a funcionar em novembro

Unidade tem capacidade para atender os quase 350 apenados das duas unidades prisionais do município

27 de Setembro de 2014 às 07:05
Unidade de saúde do Presídio Regional deve começar a funcionar em novembro
Infraestrutura da unidade de saúde já está concluída, mas equipamentos ainda não chegaram (Foto: Estevan Minini/JM)

Com um investimento de R$ 95 mil, do Ministério Público do Trabalho, as obras da unidade de saúde do Presídio Regional de Santo Ângelo foram concluídas em novembro passado, no entanto, ainda não entrou em funcionamento. De acordo com o administrador penitenciário João Mauri Sarzi Eich, resta apenas a entrega dos equipamentos que está prevista para novembro deste ano. “O convênio entre Estado e município já foi assinado, só falta realizarmos a inauguração”, comenta.

O local, que funcionará como um posto de saúde, terá ambientes como posto de enfermagem, sala de esterilização, de lavagem e descontaminação, sala de coleta, de curativo, além de consultórios médicos e psicológico. “Está tudo pronto, o que faltam são os equipamentos para realizar o atendimento”, comenta.

João Mauri ressalta ainda que a previsão – de entrega em novembro – foi dada pelo Estado. Ele explica que compete ainda ao Estado a destinação de profissionais: dentista, assistente social, psicólogo e biomédico.

A segurança será dada pela Susepe, durante todo o período de atendimento da unidade de saúde com agentes plantonistas. “Já ao município compete a constratação de um médico e um técnico em enfermagem, no entanto, o pagamento desses profissionais é feito por meio de verba federal”, relata.

Apesar do atraso, as expectativas são positivas para o início dos atendimentos. Conforme o administrador do presídio, com o funcionamento da unidade de saúde a casa prisional irá diminuir gastos com escoltas, combustível e manutenção dos veículos, dentre outros.

“Sem falar na segurança do próprio apenado, que pode se colocar em situação de risco tentando uma fuga, e da população”, ressalta.

OPORTUNIDADE E APRENDIZADO
A unidade de saúde do Presídio Regional foi toda construída com mão de obra dos próprios apenados, o que oportunizou para eles o aprendizado de um ofício, resultando no crescimento dos mesmos.

Um apenado, de 31 anos, que está há um ano e meio no Presídio Regional, cumprindo pena de 32 anos por homicídio, é um dos dez presidiários que participaram da obra. Ele conta que foram 12 meses de trabalho, o que ajuda na redução da pena.

“Trabalhei por aproximadamente um ano, fazendo a parte elétrica e hidráulica. Os dias trabalhados, além de ajudar na melhora das condições do presídio, também reduzem a pena”, disse.

O presidiário salientou a importância, para a população carcerária, de se ter uma unidade de saúde dentro do presídio e lamentou o atraso na compra dos equipamentos. “Está pronto, mas não tem os equipamentos”, avaliou.

Por Talita Mazzola (redacao@jornaldasmissoes.com.br)

Fonte: Jornal das Missões

Mais Notícias: Geral