Notícias: Geral

Mínimo regional será de R$ 700,00 a R$ 761,28

Deputados aprovaram reajuste de 14,75% na noite desta terça-feira

06 de Março de 2012 às 22:40
Mínimo regional será de R$ 700,00 a R$ 761,28
Representantes de entidades sindicais acompanharam a votação

Acompanhados por representantes sindicais que ocupavam as galerias do Plenário 20 de Setembro, os deputados aprovaram, por unanimidade, na noite desta terça-feira (6), o reajuste do piso regional, apresentado no PL 455 2011, do Executivo. Na faixa I, os valores passam para R$ 624,05 a partir de janeiro de 2012 e R$ 700,00 a partir de 1º de março. Para as faixas II, III e IV passam a valer, a partir de 1º de março, os valores R$ 716,12, R$ 732,36 e R$ 761,28, respectivamente. O aumento do piso regional é de R$ 14,75%. A proposição também altera a data-base do piso regional, a partir de 2013, de 1º de maio para 1º de janeiro, acompanhando a data-base do salário mínimo nacional.

No período de discussão, os parlamentares ocuparam a tribuna e manifestaram-se favoráveis ao projeto. Deputados da base governista referiram o compromisso do governo do Estado com a valorização do piso regional e a política de distribuição de renda. “O reajuste que vai garantir qualidade de vida a mais de um milhão de trabalhadores do Rio Grande do Sul”, observou o deputado Nelsinho Metalúrgico (PT), ao lembrar que o piso regional serve de patamar para negociações de todas as categorias. Também do PT, os deputado Raul Pont e Daniel Bordignon deferenderam o projeto. Segundo Pont, o piso “garante efetivamente uma mudança da composição da renda nacional”. “Nós temos convicção de que este é caminho e temos certeza de que isto contribuirá para que os Estado tenha maiores investimentos em serviços públicos”, reforçou Bordignon. O deputado Raul Carrion (PCdoB) somou-se ao debate e destacou a importância da recuperação do valor do piso. A persistência e a luta das centrais sindicais foi destacada pelo deputado Alceu Barbosa (PDT).

A oposição reconheceu a importância do projeto, mas aproveitou a discussão para cobrar o pagamento do piso nacional ao magistério. O deputado Frederico Antunes (PP) foi o primeiro a manifestar-se e afirmou que o governo indica índices de reajuste para o piso regional, porém não cumpre a lei no caso do magistério. A manifestação foi reforçada pelo deputado progressista João Fischer e pela deputada Maria Helena Sartori (PMDB). “A distribuição de renda é importante e eu quero ver a renda dos professores”, argumentou Maria Helena. “Para aprovar aumento para os outros pagarem o governo é benevolente”, complementou Gilberto Capoani (PMDB).

Fonte: Assembleia Legislativa

Mais Notícias: Geral