Notícias: Política

Marcos Mattos: “Vamos incentivar as empresas a gerarem mais empregos”

Vereador eleito com 885 votos destaca as áreas onde irá atuar

23 de Dezembro de 2012 às 14:58
Marcos Mattos: “Vamos  incentivar as empresas a  gerarem mais empregos”
Mattos foi diplomado junto com os demais, na quarta-feira. Foto: Fernando Goettems/JM

 Marcos Mattos (PR), vereador eleito com 885 votos para seu primeiro mandato no legislativo santo-angelense, expõe, em entrevista, as principais áreas que pretende atuar a partir de 2013.

JM – Por que decidiu ser vereador?
MARCOS -
Foi uma decisão de última hora, porque nós resolvemos formar um novo grupo político dentro do PR. Tínhamos outros nomes, que acabaram recuando. Então passaram essa responsabilidade para mim. Inclusive o presidente estadual do partido, Cajar Nardes, me pediu para concorrer. E eu aceite esse desafio. Apesar de ter atuado por mais de 20 anos na política, nunca tive a oportunidade de concorrer.

JM – Qual a sua base eleitoral? Onde se concentrou para buscar votos durante a campanha?
MARCOS
– 95% dos meus votos foram na cidade. Tive metade dos meus votos na área central da cidade e a outra metade nos bairros. Na zona rural tive poucos votos. Tive uma votação um pouco mais expressiva no Bairro Ditz, onde eu nasci e me criei.

JM – Que ações pretende desenvolver em seu mandato?
MARCOS
– Tem um leque de ações que pretendo desenvolver. A campanha me mostrou isso, no contato com as pessoas. Foco, principalmente na questão do emprego. Santo Ângelo ainda tem um percentual de pessoas desempregadas que a gente deve colocar no mercado de trabalho. Ao mesmo tempo que tem muita gente desempregada, existe muita oferta de emprego. Essas pessoas necessitam de qualificação, de capacitação. Quero estudar o perfil dessas vagas e trazer cursos de capacitação, através do Pronatec, do Governo Federal. Já existe em Santo Ângelo, mas ainda de forma tímida. Também vamos incentivar as empresas a gerarem mais empregos. Na agricultura, a gente precisa trabalhar muito a questão da sucessão rural, os jovens não estão ficando nas propriedades, principalmente nas pequenas, de agricultura familiar. Sem perspectiva, o jovem acaba vindo para a cidade. Existe muita dificuldade de achar mão de obra. O jovem tem que ter renda, incentivo, subsídios, aí você inclui uma série de coisas: estradas melhores, sinal de internet, educação de qualidade, diversificação da produção. Outra área é a da cultura. Os eventos devem ser fomentados – Canto Missioneiro, Fenamilho, Carnaval, etc. –, para serem grandes eventos regionais, que fomentem nosso turismo, a hotelaria, a gastronomia, o comércio.
Nem assumi como vereador, mas, estou trabalhando para empenhar recursos em projetos até o final do ano. Um deles é na área de eventos, no Ministério do Turismo, e outro é um recurso para a infraestrutura rural. O terceiro é na área do transporte escolar para a aquisição de mais um micro-ônibus para o transporte escolar.

JM – Que postura adotará diante da administração do futuro prefeito Valdir Andres?
MARCOS
- Eu fui eleito para ser vereador. O eleitor que votou em mim não votou eu ser oposição ou situação. Dessa forma eu vou trabalhar. Não espere de mim um vereador radical, que é contra tudo e todos só porque o prefeito não é do seu partido. Os projetos que eu entender que forem para o bem da comunidade, pode ter certeza que eu vou apoiar. Assim como vou fazer meu trabalho de fiscalização.

JM – Quais são suas referências políticas, no estado e no país?
MARCOS
– Nesses 20 anos de vivência políticas fiz várias amizades. Conheço muitos deputados federais, como o Jerônimo Goergen, Luiz Carlos Heinze, Afonso Hahn, a senadora Ana Amélia Lemos, o próprio governador Tarso Genro, o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho.

 

Currículo do vereador eleito

Já foi comerciante e atuou na prestação de serviços. Também ocupou cargos públicos no governo de José Lima Gonçalves, como subsecretário de Obras e subsecretário de Transportes. Foi assessor parlamentar do então deputado federal Augusto Nardes, que atualmente é presidente do Tribunal de Contas da União; assessorou o deputado federal Afonso Hahn. Foi chefe de gabinete e depois assessor especial da presidência na Emater, em Porto Alegre, no Governo Yeda Crusius, de 2007 a 2010. É proprietário de um restaurante junto com sua esposa.

Mais Notícias: Política