Notícias: Política

Sartori se mostra aberto ao diálogo e diz, sobre documento com demandas da região: “Podem contar comigo”

Candidato do PMDB ao governo do Estado participou de caminhada e se reuniu com empresários

26 de Agosto de 2014 às 08:00
Sartori se mostra aberto ao diálogo e diz, sobre documento com demandas da região: “Podem contar comigo”
Ato na Acisa, no final da manhã, concluiu passagem de José Ivo Sartori pela cidade. Fotos: Murian Cesca/JM

Uma situação ficou clara na passagem do candidato a governador José Ivo Sartori (PMDB) por Santo Ângelo: ele pretende, se eleito, construir um governo na base do diálogo. Entre as diferentes questões que o ex-deputado estadual, ex-deputado federal e ex-prefeito de Caxias do Sul abordou em suas manifestações na manhã de sábado (23), a importância do diálogo com a sociedade foi frisada por ele não apenas na Acisa, onde se reuniu com empresários, representantes de entidades, com o prefeito Valdir Andres (PP) e com a vice Nara Damião (PMDB), mas também na inauguração do comitê do diretório municipal do PMDB, na Rua 25 de Julho, que abriu a programação da vinda dele.

Integrante da coligação “O Novo Caminho para o Rio Grande” (PMDB/PSD/PPS/PSB/PHS/PTdoB/PSL/PSDC), José Ivo Sartori, sem seu candidato a vice, José Cairoli (PSD), havia chegado ao comitê do diretório municipal do PMDB às 9h30min. Ele foi questionado pelo JM sobre educação, saúde e segurança. Na educação, defendeu um pacto de unidade.

“O principal é o diálogo, é o entendimento, para que o piso salarial, cujo pagamento está previsto em lei, seja cumprido. Isso tem de ser feito por meio do diálogo. Existe uma demonstração dos professores no sentido de que também desejam isso, e todos nós, governo, professores e sociedade, precisamos ter um caminho e um pacto de unidade para melhorar a educação. Um estado que já foi referência em educação não pode estar com seus indicativos cada vez mais baixos”, expôs.

Sobre segurança, ele analisou que é necessário aumentar o efetivo e modernizar tanto a maneira de trabalhá-la quanto as ferramentas – por outro lado, pediu maior investimento do governo federal nos estados. Sobre saúde, Sartori disse ser a favor de uma regionalização maior de hospitais e da aproximação da filantropia e de organizações, com vistas a qualificar o serviço. Por volta das 10h, ele, deputados, como os federais Osmar Terra e Darcísio Perondi, candidatos, vereadores, correligionários – como o presidente do diretório municipal, o ex-prefeito José Lima Gonçalves – e simpatizantes saíram em caminhada pela Rua 25 de Julho. Ela culminou na chegada ao Centro de Convenções da Acisa, às 10h30min, último ato da passagem dele pela cidade.

ACISA, CDL E SINDILOJAS APRESENTARAM REIVINDICAÇÕES SOBRE SEIS QUESTÕES CONSIDERADAS ESSENCIAIS PARA A REGIÃO
Na Acisa, Sartori recebeu do presidente da entidade, o executivo Carlos Ely Junior, um documento assinado pela própria associação, CDL e Sindilojas contendo seis reivindicações que elas consideram “essenciais para o desenvolvimento da região” (confira ao fim desta reportagem).

As reivindicações dizem respeito a tornar as Missões uma região de foco estratégico de desenvolvimento do Noroeste, à finalização das obras do Aeroporto Regional, ao Parque Tecnológico, ao fortalecimento do turismo, à infraestrutura e à regulamentação da legislação referente ao Diferencial de Alíquota (Difa), bem como à sua operacionalização para retirada de cobrança. “São anseios da nossa comunidade quanto a desenvolvimento econômico e social, para que o senhor possa debater algumas carências para o desenvolvimento da nossa região”, afirmou Carlos Ely, se dirigindo ao candidato.

“EU ME COMPROMETO A SENTAR E CONVERSAR”
Sartori disse se comprometer, em sendo eleito, a lutar pelo atendimento das demandas. “Seria fácil, como era feito em outras épocas, eu chegar aqui e prometer resolver, mas eu me comprometo a sentar com vocês e conversar. Podem contar comigo. Aliás, tem duas questões contra as quais não vou ter nenhum preconceito: parcerias público-privadas, porque sei que o Estado não tem capacidade de fazer grandes investimentos em infraestrutura, e diálogo”, declarou o peemedebista na Acisa.

“O Estado não vai resolver nada sozinho. Se a gente não tiver coragem de fazer a mudança, se a sociedade e entidades como as suas não estiverem prontas para suportar esse processo de mudança, ela não vai existir”, continuou, destacando, ainda, a importância de se ter “uma boa equipe, com pessoas sérias, capazes e responsáveis”.

CANDIDATO PREGA MUDANÇA NA FORMA DE PAGAMENTO DA DÍVIDA DO ESTADO
José Ivo Sartori também fez comentários sobre a dívida do Estado – hoje de R$ 50,4 bilhões, entre a interna e a externa – e sobre capacidade de investimento. Para ele, do modo como a dívida é paga à União hoje, destinando 13% da receita anual e com juros anuais de 6% e correção pelo IGP-DI, ela só é estendida. Um projeto de lei complementar, que aguarda votação no Senado, poderá baixar os juros para 4% e mudar o indexador para o IPCA ou a Selic.

“É preciso diminuir o valor da prestação e os juros. E o Estado deve fazer sua parte, equilibrar as contas, gastar só onde é necessário. Precisamos arrumar a casa para ter o equilíbrio financeiro e poder voltar a investir em infraestrutura e em questões sociais que são importantes para a sociedade”, refletiu.

EDUARDO CAMPOS
Na Acisa, Sartori ainda falou sobre Eduardo Campos, candidato do PSB à Presidência morto em acidente aéreo no dia 13. O ex-prefeito de Caxias do Sul, que contou ter estado em Recife para os cerimoniais fúnebres de Campos, disse que alimentava “muita expectativa” sobre o pernambucano. “Ele era uma pessoa que conhecia a política e que sabia que a política pode ser diferente. E, para concluir, vou usar um ensinamento que aprendi com o que ele pensava sobre o Brasil: nós não vamos desistir do Rio Grande.”

No fim de semana, depois da passagem por Santo Ângelo, Sartori esteve em São Luiz Gonzaga, Roque Gonzales, Salvador das Missões, Cerro Largo e Passo Fundo. Ontem, cumpriu agenda em Porto Alegre.

***

DEMANDAS APRESENTADAS PELAS ENTIDADES
“Dos projetos que consideramos essenciais para o desenvolvimento da nossa região e melhoria da comunidade, temos:
- Tornar-se uma região de foco estratégico de desenvolvimento da região Noroeste, tendo em vista que outras regiões já estão consolidadas, com suas atividades. Citamos Grande Porto Alegre, Serra/Caxias do Sul, Rio Grande/Pelotas e, assim, equalizar as regiões;
- Aeroporto Regional de Santo Ângelo, com a finalização das obras e a ampliação do terminal de passageiros para que tenhamos voos regulares;
- Parque Tecnológico, para iniciar uma diversificação na matriz produtiva;
- Turismo: criação de ações de divulgação e apoio a projetos existentes ou novos, visando incrementar o turismo regional, sendo que temos aqui, em São Miguel das Missões, o único patrimônio histórico da humanidade localizado no Sul do Brasil;
- Infraestrutura: não podemos ter turismo ou desenvolvimento sem estradas e pontes de qualidade. Ressaltamos a necessidade de uma ponte alternativa à atual ponte que liga Santo Ângelo e Entre-Ijuís, devido à sua precariedade;
- Regulamentação da legislação referente ao Diferencial de Alíquota (Difa) e sua operacionalização para retirada da cobrança”

Fotos vinculadas

Sartori recebeu o documento das mãos do vice do Sindilojas, Luiz Carlos Dallepiane, do presidente da Acisa, Carlos Ely Junior, e do presidente da CDL, Wilson Luiz Pippi Junior Candidato falou sobre demandas e os projetos de governo Caminhada partiu do comitê e culminou na Acisa

Por Murian Cesca (murian@jornaldasmissoes.com.br)

Fonte: Jornal das Missões

Mais Notícias: Política