Notícias: Política

Em Santo Ângelo, candidato Olívio Dutra defende reforma política e se encontra com simpatizantes

Petista também falou sobre o desafio de concorrer ao Senado e a entrada de Pedro Simon na disputa

26 de Agosto de 2014 às 08:00
Em Santo Ângelo, candidato Olívio Dutra defende reforma política e se encontra com simpatizantes
Olívio Dutra ficou cercado de militantes e simpatizantes (Foto: Cristiano Devicari/JM)

Um grande número de militantes acompanhou a caminhada feita pelo candidato do PT ao Senado, Olívio Dutra, em ruas de Santo Ângelo, nesta segunda-feira (25). O político esteve na Rua 25 de Julho e seguiu pela Marquês do Herval cumprimentando eleitores nas calçadas e dentro de estabelecimentos comerciais.

Durante a sua passagem por Santo Ângelo, Olívio Dutra apresentou suas propostas como candidato ao Senado, explicando o que o fez aceitar esse desafio. Também falou sobre a necessidade de uma reforma política no País, o projeto de governo que ele defende para o Brasil e sobre o anúncio da candidatura de Pedro Simon, pelo PMDB, ao Senado. Veja a seguir os principais pontos levantados pelo candidato do PT.

CANDIDATURA AO SENADO
“No início eu não pensava em me candidatar. No entanto, o PT e os partidos que integram a base do governo do Estado me convenceram a aceitar esse desafio. O PTB, por exemplo, retirou a candidatura ao Senado de Emília Fernandes para que eu concorresse. Diante disso, decidi entrar de corpo e alma nesse projeto, que não é pessoal, mas sim coletivo. Acredito que essa experiência que tive na vida pública como presidente sindical, deputado federal constituinte, prefeito de Porto Alegre e governador será importante para essa nova empreitada.”

METAS COMO SENADOR
“Como senador, pretendo trabalhar pelo desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Sul. Um projeto economicamente viável não apenas ao Estado, mas também para o nosso País. O Brasil precisa passar por transformações através das reformas política, urbana, agrária e tributária.”

COMO FAZER AS REFORMAS
“Defendemos que as reformas sejam feitas como sugerem a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ou seja, um plebiscito através de uma assembleia constituinte. Todos sabem da necessidade de uma reforma política, mas infelizmente não se trabalha para que isso aconteça. Quem está aproveitando essa situação, que não respeita o voto da cidadania e que coloca em jogo a representação democrática, não quer mudanças. Ao longo de nossa história, tivemos apenas reformas meia-sola, pela metade. Precisamos resolver essa questão.”

PEDRO SIMON
“Não vejo problema nenhum porque eu não escolho candidato para disputar comigo. Meu projeto é coletivo, não pessoal. Os eleitores entendem a importância de nosso projeto, que busca melhorar a qualidade de vida das pessoas. Estamos contando com o apoio efetivo de votos conscientes que defendem o campo democrático e popular.”

MARINA SILVA
Referindo-se ao slogan “Não vamos desistir do Brasil”, dito pelo falecido Eduardo Campos e usado pela campanha da candidata a presidente da República Marina Silva, Olívio Dutra responde: “Ninguém é mais brasileiro que o outro. Todos nós queremos um país de igualdade, justiça social, que não mescle interesses pessoais com influência enorme do poder econômico. Essa sempre foi a bandeira de todos os gaúchos e não há razão para isso ser apropriado por determinado segmento. Vamos trabalhar para o nosso povo, defendendo todas as reformas necessárias e uma atenção à questão dos quilombolas e aos indígenas”.

Por Cristiano Devicari (cristiano@jornaldasmissoes.com.br)

Fonte: Jornal das Missões

Mais Notícias: Política