Notícias: Política

Em Santo Ângelo, candidata Ana Amélia Lemos prega governo “comprometido com os cidadãos e não com partido político”

Candidata ao governo do Estado esteve no domingo (14) no município

16 de Setembro de 2014 às 08:00
Em Santo Ângelo, candidata Ana Amélia Lemos prega governo “comprometido com os cidadãos e não com partido político”
Ana Amélia Lemos, após inaugurar comitê, participou de caminhada e foi ao Brique da Praça (Foto: Anna Fonseca/AI Ana Amélia Lemos/Divulgação)

Neste domingo (14), a candidata ao governo do Rio Grande do Sul pela coligação Esperança que Une o Rio Grande (PP-PSDB-SD-PRB), Ana Amélia Lemos, participou de atos de campanha nos municípios de Santo Ângelo e Santa Rosa. Em Santo Ângelo, a progressista participou de caminhada e inaugurou a Casa de Ana Amélia na cidade, na Rua Marquês do Herval, 987. Durante o ato, Ana Amélia ressaltou que sua coligação governará para a população. “Queremos fazer a diferença, com um governo transparente, ético e com muita responsabilidade, comprometido com o interesse dos cidadãos e não de um partido político”, afirmou. Após a inauguração, a progressista realizou caminhada no Brique da Praça.

Em seu primeiro compromisso em Santo Ângelo, Ana Amélia esteve reunida com lideranças empresariais, recebendo demandas das entidades do município das mãos do presidente da Associação Comercial, Industrial, Serviços e Agropecuária de Santo Ângelo (Acisa), Carlos Ely Júnior. O documento, assinado pela Acisa, Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e Sindicato do Comércio Varejista (Sindilojas), continha reivindicações consideradas pelas lideranças como essenciais para o desenvolvimento da região.

CRESCIMENTO E DÍVIDA PÚBLICA
Questionada sobre como conciliar o crescimento do Estado com o pagamento da dívida pública do Rio Grande do Sul, que chega hoje a R$ 50,4 bilhões, com 13% da receita anual destinada ao pagamento à União, com juros anuais de 6% e correção pelo IGP-DI, a candidata afirmou que primeiro é preciso “arrumar a casa”, diminuindo despesas.

“A primeira missão será arrumar a casa, reduzindo estruturas governamentais que estão sobrepostas e gerando custos, e diminuir os cargos comissionados, que superam os 6 mil no Estado e representam mais de R$ 10 milhões mensais em gastos. Equilibrar as finanças, qualificar o gasto público e priorizar investimentos fazem parte dos nossos compromissos, assim como a continuidade da luta junto à União por uma solução menos onerosa para o Estado em relação à dívida, e muito empenho para que o projeto de lei de minha autoria seja aprovado e possamos trocar parte da nossa dívida pelos créditos devidos pela Lei Kandir. Nossa equipe multidisciplinar, que elabora o plano de governo, ainda aprofunda este tema a fim de que possamos avaliar e adotar todas as soluções que permitam ao Rio Grande voltar a crescer”, declarou Ana Amélia.

PROPOSTAS
A candidata progressista afirmou que o Estado não é inviável, mas que é preciso união para solucionar os problemas existentes. “O Rio Grande não é inviável, precisa apenas parar de adiar as soluções dos seus problemas. Somos um estado com forte tradição associativa. Sempre que é necessário, deixamos as diferenças de lado para nos unir em torno de objetivos maiores”, propôs Ana Amélia.

Ana Amélia disse que, caso eleita, adotará um “governo colaborativo, que garanta o aumento da eficiência administrativa, elevando a qualidade dos serviços públicos”. Sobre a Educação, a candidata mencionou que a profissão de educador deixou de ser uma área desejada pelos jovens. “É preciso dar a devida relevância às condições de trabalho dos profissionais do ensino, professores e demais agentes do quadro docente”, avaliou. Ela disse ainda que pretende discutir com a comunidade escolar um Plano Estadual da Educação.

Na área da Saúde Pública, Ana Amélia considera um “desrespeito ao cidadão” a qualidade do serviço prestado e propõe uma Rede Integrada de Saúde Pública. “Só com a integração de toda a cadeia da saúde poderemos romper com a inércia histórica na má prestação dos serviços essenciais na área da Saúde. Estabelecer um fluxo de prioridades, com ênfase na porta de entrada dos cidadãos no sistema, ajudará a tornar o processo mais eficiente”, avaliou.

Na mesma linha, a candidata defendeu a Gestão Integrada de Segurança, visando economizar recursos, possibilitando maiores investimentos e uma maior inteligência do sistema. Diminuir a defasagem do quadro de pessoal, através de concurso público para contratação de novos policiais e bombeiros, e uma política salarial justa também foram argumentos da progressista.

MENSAGEM AOS SANTO-ANGELENSES
Ana Amélia Lemos deixou aos santo-angelenses uma “mensagem de esperança no futuro” e avaliou que o Estado necessita redescobrir suas potencialidades. “Aos gaúchos em geral e particularmente aos santo-angelenses, dignos representantes dos valores missioneiros, envio minha mensagem de esperança no futuro do nosso Rio Grande, um estado que precisa redescobrir suas potencialidades. É isso que estamos propondo, junto com uma convocação para que todos se unam em torno da causa comum de alavancar o nosso estado para que resgate seu protagonismo. Mais do que isso, para que volte a oferecer aos seus filhos mais educação, saúde ágil e de qualidade, ambientes seguros para todos, oportunidades de crescimento e prestação eficaz de serviços. Em outras palavras, mais qualidade de vida para nossa gente”.

***

DEMANDAS APRESENTADAS PELAS ENTIDADES
“Dos projetos que consideramos essenciais para o desenvolvimento da nossa região e melhoria da comunidade, temos:
- Tornar-se uma região de foco estratégico de desenvolvimento da região Noroeste, tendo em vista que outras regiões já estão consolidadas, com suas atividades. Citamos Grande Porto Alegre, Serra/Caxias do Sul, Rio Grande/Pelotas e, assim, equalizar as regiões;
- Aeroporto Regional de Santo Ângelo, com a finalização das obras e a ampliação do terminal de passageiros para que tenhamos voos regulares;
- Parque Tecnológico, para iniciar uma diversificação na matriz produtiva;
- Turismo: criação de ações de divulgação e apoio a projetos existentes ou novos, visando incrementar o turismo regional, sendo que temos aqui, em São Miguel das Missões, o único patrimônio histórico da humanidade localizado no Sul do Brasil;
- Infraestrutura: não podemos ter turismo ou desenvolvimento sem estradas e pontes de qualidade. Ressaltamos a necessidade de uma ponte alternativa à atual ponte que liga Santo Ângelo e Entre-Ijuís, devido à sua precariedade;
- Regulamentação da legislação referente ao Diferencial de Alíquota (Difa) e sua operacionalização para retirada da cobrança.”

Fonte: Jornal das Missões

Mais Notícias: Política