A simples matemática da vida

0
134

Era tarde da noite. Estávamos sentados no sofá. Resolvemos fazer um torneio para ver quem melhor imitava uma ovelha. O balido da Luiza foi muito delicado, balançava a cabeça no ritmo do mééé. A Valentina fez um mééé meio rouco, mas parecia uma ovelhinha cantora.

Eu preparei um mééé ensurdecedor para acordar a vizinhança. Pensei na possibilidade de eternizar aquele momento com o mais belo mééé do planeta. Respirei fundo e lá se foi o papai a balir naquela estranha competição ovina. Talvez um dia elas recordem da acirrada disputa pelo mééé perfeito – “o pai era bom de balido”.

No outro dia, a diversão ficou por conta das ilustres visitas. O pequeno pássaro preto cantava e saboreava os restos da bergamota. O casal azulzinho, inquieto com a presença do perigoso felino, permaneceu por pouco tempo. Os sabiás já perderam o medo do gato. O mascarado bem-te-vi, há tempos desaparecido, espiava tudo de longe.

Ficamos alegres ao observar os primeiros passos do pequeno Joaquim, sobrinho que começa a descobrir o apaixonante mundo do futebol, muito faceiro com a correria infinita atrás da bola, segue treinando um desconcertante drible no gramado avoengo.

A pandemia tem nos ensinado algumas preciosas lições. A principal delas é sobre a vida. O hoje pode ser mais importante do que o amanhã. É o despretensioso momento que faz a diferença em nossa caminhada terrena.

E foi nesse enredo que recebi a seguinte mensagem: “depois de alguns dias dependendo de oxigênio, de equipe médica, e de uma cama de hospital… nossos conceitos de valores começam a mudar”. Era um querido colega dos tempos de NPOR (1997). Um missioneiro a lutar contra a covid-19.

Precisamos, portanto, repensar esses valores estabelecidos que têm produzido tanto desalento, urge refletir sobre a intensa velocidade da nossa existência. A pandemia tem oportunizado algumas reflexões sobre o atual modelo de sociedade, aos poucos, vamos percebendo que a simplicidade é o que faz a vida bela.

Nas andanças pelas curvas do tempo, repleta de erros e acertos, a matemática parece ser feita desses pequenos instantes de felicidade, vamos somando o balido da ovelha, o canto do passarinho, a brincadeira com os filhos e o jogo de bola da criança, talvez aí esteja a potente vacina contra tantos males que afligem a humanidade.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here