A Proibição do Incesto como Fronteira entre o “Natural” e o “Cultural”

0
115

 Um problema ainda hoje de difícil raciocínio no meio acadêmico, não só inserido particularmente na seara da antropologia, mas que envolve um esforço conjunto das ciências humanas na sua compreensão – sobrevém da tentativa de estabelecer uma denominada fronteira no debate conceitual referente aos temas: “natural” e “cultural”. Tais designações não estão pacificamente equacionadas no tocante as suas naturezas, deste modo, provocando um intenso debate científico movido pela premissa maior de chegar-se a uma dissolução mais clara e objetiva em alusão ao que realmente cada uma representa em si.

Segundo as palavras do antropólogo Edgar de Assis Carvalho, ao mencionar a nebulosa confusão quanto à manipulação dos conceitos, as argumentações mais corriqueiras deliberam a definição de “natural” como sendo o domínio da universalidade, onde tudo é regido e pautado pela universalidade dos instintos. Já no plano cultural, o indivíduo está circundado pela relatividade da regra, do padrão, do comportamento e da diferença.

Toda a situação criada no empreendimento da compreensão absoluta da matéria, encontra como nascente problemática a seguinte questão: o que dá a passagem do “natural” para o “cultural”? É exatamente nesse ponto onde o embate argumentativo se constrói, formando uma gama multifacetada de diferentes teorias e doutrinas. Todas não categoricamente aceitas como arquétipo, mas que contribuem de algum modo para a discussão, fornecendo bases, ideias, caminhos e alguma eventual e necessária referência. Práticas sabidamente comuns na atividade intelectual que submerge e move a pesquisa.

Para Lévi-Strauss (1908-2009), amparado sob o viés antropológico e sua lógica, a referida passagem é marcada pela proibição do incesto, onde o “natural” consegue ultrapassar-se a ele mesmo, preparando assim, o advento de uma nova ordem. Esta, por conseguinte, mais restritiva, limitada e organizacional. Trabalhando com os fundamentos de Lévi-Strauss, é importante entender que não se trata do incesto como prática especial da natureza humana, mas sim, ao ato proibitivo isoladamente. Tendo isto como parâmetro reflexivo, o incesto acaba figurando como componente mediador entre o “natural” e o “cultural”, pois o impedimento universal unânime do mesmo, presente nas mais variadas culturas, automaticamente trás consigo o elemento central da natureza, ou seja, sua essência universal. A partir daí, cada sociedade restringirá o incesto adaptado ao seu modo de formação – sua cultura. Note-se, portanto, a dualidade conceitual inserida no raciocínio de Lévi-Strauss, ao usar como fronteira entre “natural” e “cultural”, a proibição do incesto.

Dito isto, há que se ter um cuidado em forma de precaução ao desenvolver a complexidade do tema, pois como pondera a maioria dos antropólogos, apesar da ideia do universal ser o catalisador da criação do “natural”, ainda assim, a proibição do incesto não se encontra no campo do “natural”, mas continua sendo trabalhado como fronteira – como elemento de passagem. A proibição do incesto é universal sem ser instintiva, no sentido da suposição da voz do sangue estabelecer sua interdição. Mas ao mesmo tempo é universal por existir em todas as culturas, por mais que a universalidade do extinto acabe sofrendo essa transformação.

Quando o pensamento proibitivo do incesto ainda não existia de maneira tão difundida, havia civilizações como, por exemplo, a Melanésia, onde não havia o Édipo. Tal ausência, dava-se simplesmente pelo sistema societário ser regido por um parentesco onde o tio materno detinha o comando da sociabilidade entre os indivíduos, deixando os grupos de pesquisa em antropologia estarrecidos com a descoberta. Os fatos conclusivos são inaugurados logo no início do século XX, ao passo que as ideias de Lévi-Strauss acerca do tema são de 1949, ganhando forma e derivações com o passar dos anos. Atualmente o que se tem é um entendimento de que a cultura deva ser dissolvida na natureza, na intenção de se quebrar o paradigma da dualidade.

Se pensarmos que tudo quanto é proibido, gera em nosso inconsciente o desejo de ser transgredido, como poderíamos objetivar se este mesmo desejo é ou não é instintivo? Novamente o terreno torna-se um grande deserto da mais pura areia movediça, convertendo a instabilidade e a dúvida como os reis de uma ciência não inteiramente revelada.
Teorias difíceis de explicar, resultando em reflexões que pisam em ovos. O mundo persiste em se auto-esconder, colocando-nos num labirinto sem mapa. Assim, percebo a necessidade de dar as mãos ao tempo e a paciência, pois antes de decidir que tipo de automóvel comprar e qual a marca de vestuário adequada, continuo como muitos sem saber quem sou.

O comumente chamando antropocentrismo tem lá suas falhas, aperfeiçoando a personalidade opinativa e enchendo de vida a superficialidade.
Ser humano é ser frágil e mais aceitar do que entender / É saber que a filosofia aplica-se no corpo, e não somente na metafísica do saber.
Assim profetizou o serviçal, assim foi ignorado o poeta. De chapéu de palha, palheiro e bombacha, sua sentença ecoou apenas nos ouvidos dos cavalos. Ao seu chefe, coronel e patrão, o que se ouviu foi: Não passas de um peão! Largue de me olhar e volte à submissão!

Velhos tempos / tempos presentes
Poesia em forma de pasto
Somos dissolvidos entre saliva e dentes
De resto / resta o que é falso.