Você e o Uruguai

0
110

O barquinho se desatina
Nas corredeiras do Uruguai

Nas curvas dos cabelos negros
Extensos
Ondulados de amor que não descai

Da pele morena da paixão
Ardente na fala e no perdão
Delicado olhar, que mira sem razão
Com o carinho da Lua e da mão
Sufocando no abraço minha solidão

Com você
Com você

Que me tem quando preciso
Quando precisa sou omisso
Desatencioso, não preciso
Sem alma, desmerecedor do seu sorriso

Me de mais uma chance
Para poder eu contornar
Estas falhas lamentáveis
De amante que não sabe amar

Aquele que desconhece o valor
É cego que aprende na dor
A sofrer e se lamentar
Transformando os astros em ouvidos
Para suas mágoas escutar

O preço foi alto
De valor inestimável
E o que deixo são estes olhos e estes lábios
Estas lágrimas de desilusão
Que provoquei e desenhei em ti
Disse-me do sentimento amor não considerei nada
Vaga – vaga noite no Uruguai
Nos cabelos ondulados onde não posso mais tocar
Restando só remar
Até desaparecer
Sua imagem do meu pensar

Sem você
Sem você