Comparando planos de previdência

0
117

O objetivo dessa coluna é informar as pessoas sobre investimentos, para que possam futuramente, ter uma maior liberdade: liberdade de trabalhar a hora que quiser, liberdade de escolher o carro que quer comprar, para onde quer viajar, enfim, para usufruir como bem quiser momentos agradáveis com quem aprecia. Tenho falado ultimamente sobre ações, mas nesse espaço já foi tratado sobre investimentos em renda fixa, fundos imobiliários, poupança, diferença entre ativo e passivo, tributação, entre outros. Porém, não havia tratado, nesse espaço, sobre um investimento muito conhecido da população, que é a Previdência Privada.

A maioria tem ciência de que nossa previdência pública está falida. Não somente no Brasil, mas no mundo todo. Muitos contribuintes realizam contribuições sobre o teto, porém no momento de receber seus benefícios, recebem muito abaixo da quantidade de salários que contribuíram, tudo isso devido ao déficit em nossa previdência pública. Infelizmente aviso-lhe que isso tenderá a piorar. Hoje, temos em torno de 4 contribuintes ativos para cada inativo aposentado. Com o passar do tempo, nossa população que ainda é jovem, tende a envelhecer.

Com isso teremos mais aposentados e menor número de contribuintes. O fato é que a taxa de contribuintes/inativos chegará a 1,8 ativos para cada inativo, segundo estudos. Se temos hoje 4 contribuintes para cada inativo e a previdência já tem um desequilíbrio enorme, imagine com menos da metade de contribuintes atualmente? Certamente teremos maiores desequilíbrios. E o que fazer para precaver-me futuramente? Uma das alternativas é a previdência privada.

Como comentei em outros artigos, devido à redução na taxa de juros, chegou o momento de comparação entre produtos finaneiros. Mais do que nunca, será preciso comparar taxas, custos e retornos. Quer um pequeno exemplo? Olhe abaixo. Omiti o nome dos administradores das previdências consultadas. O caso é de um amigo, que começou um plano de previdência no ano passado. No plano anterior, ele pagava taxa de administração de 3% ao ano e taxa de carregamento na entrada de 2% ao ano. No plano sugerido, a taxa de administração é de 1% e sem taxa de carregamento na entrada, ou seja 0%. O valor aportado estava em R$ 11.557,00, sendo R$ 358,00 de contribuições mensais. Simulamos 30 anos de contribuições e no plano anterior ele conseguiria ao total do prazo R$ 695.322,62. No plano novo, na qual foram pesquisadas as taxas, quase o dobro, ou seja, R$ 1.182.978,33. O benefício projetado no plano anterior era de R$ 2.972,16 e no novo plano R$ 6.996,25, ou seja, mais do que o dobro! Mesma categoria de plano, maiores retornos! Uma simples pesquisa mas que certamente mudará sua vida. Isso é simples de obter-se, basta comparar! Convém lembrar que o fundo de previdência, tem um CNPJ próprio, não sendo ligado com a instituição que o administra. São CNPJs diferentes. Para quem tem um plano de previdência e quer verificar se está pagando uma alta taxa de administração, o que fazer? Basta solicitar a um profissional da área, que faça esse comparativo, enviando um demonstrativo mensal com o CNPJ desse fundo de previdência. A transferência para outra previdência de mesma categoria é feita em torno 45 dias. É como a portabilidade de número de celulares. Simples, fácil, rápida e que pode deixar de perder alguns milhares de reais como o caso abaixo.