Pânico, incompreensão humana

0
223

Querida Sobrinha.

Tomamos conhecimento que no distrito de Comandaí, poucos quilômetros da nossa cidade, vive Luzia com seu esposo, comerciante naquela localidade.

Luzia, senhora de quarenta e cinco anos, está atacada de infecção crônica produzida por um microrganismo específico, chamado de Bacilo de Hansen. Motivo que, querida sobrinha, está causando um verdadeiro pânico naquela povoação seguido de transferência de domicílio já, de várias famílias, havendo outras que desejam fazê-lo, a fim de pôr salvo suas famílias do terrível mal que as ameaça. Imagina! O próprio grupo escolar que congrega aproximadamente 150 alunos fechou suas portas, negando-se as professoras, dizem com razão, voltarem ao trabalho, antes que seja retirada do lugar a leprosa.

A doente em apreço, Luzia, já esteve recolhida ao Hospital Colônia de Itapuã e não sabemos como consegui evadir- se. Hoje, está vivendo entre seus familiares e no próprio seio da coletividade, sem escrúpulo algum, dedicando- se mesmo, segundo se propala naquele lugarejo, à fabricação de manteiga, queijos, pães, bolachas e cucas que são vendidos na feira em Santo Ângelo.

O chefe da higiene local, telefonou ao diretor do leprosário, a fim de requisitar a ambulância daquela casa de saúde, para fazer o transporte da Luzia para aquela cidade. A resposta foi negativa, pois o diretor daquele estabelecimento hospitalar comunicou que o carro ambulância estava completamente estragado.

Houve enorme movimentação dos políticos locais e estaduais para que a Luzia fosse recolhida imediatamente, pois a localidade estava vivendo a cada instante o pânico, um dos mais terríveis males que pesam sobre a humanidade.

Estamos nos preparando para ir ao baile do Baltazar, no Clube Concórdia, aí em Santa Rosa. Qual será a bandinha que irá animar a festa?

Olha, vamos combinar tantas coisas juntas, vamos organizar um piquenique na cascata do Comandaí, quando a primavera chegar com a participação das normalistas.

Querida sobrinha, redigi de maneira completamente adoidada, fugindo às regras gramaticais e metodológicas de uma carta, no dia treze de março de hum mil novecentos e cinquenta e dois.

Com carinho,

Tua Tia Sibila.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here