Confraria

0
147

Esses últimos quinze dias foram muito significativos. Entrar dentro de um estúdio com a finalidade de gravar uma música é algo muito bom. Também é complicado e muito chato devido o metrônomo. Aquele tec-tec é de enlouquecer. É um teste de paciência e compreensão. Escolhemos por votação interna três canções que serão lançadas através de um EP. Um disco demo. Ainda estamos tratando do dia que será feito esse lançamento.

Como vocês têm visto, há dias estamos levando o nome da nossa banda para vários cantos do Rio Grande. Com isso, levamos o nome da nossa cidade. E não é para pedir apoio que estou escrevendo sobre isso. Somos independentes e nos orgulhamos disso. Fazemos o que gostamos. Prova disso são as nossas composições. Escritas com muita dedicação e vontade. A partir disso, quero compartilhar com os amigos que me acompanham desde dezembro de 2011 e com os seguidores dessa banda estranha algumas das nossas composições.

Começarei com a primeira, a primogênita. A filha mais velha. Esta letra é muito especial, e relata um fato verdadeiro, em partes é claro. Nem tudo o que está nela aconteceu. Trata-se de uma levada de blues em Dó Maior. Ela não estará no disco demo, mas em breve ela estará a disposição dos seus ouvidos. Já tem um tempo que compomos esta letra. Eu e o Everton, estávamos sentados nos degraus da Catedral num domingo à noite. Essa letra que estão prestes a ler diz muito sobre a paixão de dois caras pela mesma garota. Moça muito bonita, jovem e na época, solteira. Loira, cabelos lisos. Olhos castanhos. Hoje há rumores de que a moça casou-se e tudo mais de véu e grinalda na mesma igreja citada acima. O que restou a eles, os outros dois personagens desta história, fora apenas a lembrança desta paixão traduzida em acordes de violão pela banda Os Guaipecas. Espero que gostem e que decorem esta letra. Ô ié!

Confraria

Quando ela chega todo dia no trabalho
Eu fico ali parado olhando ela descer do carro
Deus como que pode? Ela é linda, muito linda demais!
Sei que ao lado dela, as minhas noites nunca seriam iguais.

Se um dia ela soubesse quantos litros de alegria
Fiz brotar pra ela no chuveiro e lá na pia
Talvez ela entendesse essa canção eu fiz de coração.

Que louca sensação. Ou mera confusão?
Eu acho que não, isso é alucinação! Oh baby, vê se me dá!
Uma chance pra eu te mostrar como se dança um blues!

Quando ela chega de manhã no seu trabalho
Eu bobo, ali na porta olhando ela descer do carro
Deus como que pode? Ela é linda pra caramba!
Terei será uma chance de levá-la para cama?

Se um dia ela soubesse quantos litros de agonia
Engoli por ela nesses bares de esquina
Talvez ela soubesse essa canção eu fiz de coração.

Que louca sensação. Ou mera confusão?
Eu acho que não, isso é alucinação! Oh baby, vê se me dá!
Uma chance pra eu te mostrar como se dança um blues!