O homem das mil mulheres

0
128

 Casadas, noivas ou compromissadas, solteiras e desquitadas. Aquele homem não poupou nenhuma que se atravessou em seu caminho. Feito um pecador confesso, após não ter sido correspondido na primeira vez ele quis fazer da sua vida o próprio inferno. Juntou-se ao diabo e flertou com todas as mulheres que desejou durante sua curta estadia neste mundo. A primeira era morena de olhos esverdeados, a segunda era loira de olhos castanhos. Este homem foi romântico e satânico ao mesmo tempo.

Cuidou de todas as mulheres do mesmo jeito, sabia manuseá-las como que se existisse um manual debaixo de seus braços. Entregava-lhes rosas roubadas de algum jardim e tratava de suas taras como se fosse um doutor especializado na arte do amor. O que elas não ganhavam em casa, elas ganhavam com ele em um curto tempo de duas horas e meia, em motéis de beira de estrada. Sua receita era simples, um e outro gole de uísque barato aliado a um cigarro, untava-se a elas dando um prazer tão denso e imenso que sua fama foi além de suas fronteiras, causando alvoroço na cidade onde morava, pois todas as mulheres sabiam de suas artes.

Porém ele sabia que sua vida tinha um prazo determinado e por isso continuava sua saga em busca de amores obscenos provocando a ira dos padres, dos maridos e inclusive dos próprios amantes dessas mulheres, afinal era ele o único a satisfazer os mais sujos desejos de todas elas que não eram devassas, muito menos pecadoras. Buscavam apenas entendimento e respeito ao lado deste homem que foi excomungado e condenado a morte pela igreja. Mas ele já estava morto, por isso não se importava com os julgamentos vindos do homem.
Cada nova mulher que cruzava em sua frente sentia o seu cheiro atiçando as mais loucas e sublimes vontades femininas fazendo com que elas umedecessem: ele exalava pecado. Com o tempo e lá pela centésima sexagésima sexta mulher começou a sentir-se pesado a cada nova experiência. Mas seu desempenho continuava melhorando e sempre se perguntava: – O que acontece com essas mulheres e porque me procuram todos os dias sem descanso? Eram todas mal amadas em suas camas, elas não tinham em seus braços um homem fiel e capaz de amá-las além de tudo. Foi preciso este homem vender sua alma ao demônio para que fossem correspondidas.

Em alguns instantes ele chorava sozinho, mas não se arrependia e erguia-se a cada nova manhã, pois tinha que ser leal e manter a sua palavra se ele quisesse respirar no dia seguinte. A sombra de seu aliado lhe seguia a todo instante. Deixava-o sozinho apenas nas ocasiões onde o seu corpo encontrava-se com outro. A bebida e o cigarro envenenado lhe acompanhavam: se matava aos poucos. Esse era o tratado. Passaram os anos e ele firme em sua meta, desmanchando romances e despertando paixões impossíveis. Dessas mil mulheres, teve mais duzentas que quiseram ser para sempre suas eternas amantes.

Só que tudo tem um fim, não poderia ter sido diferente. Para alegria dos pastores e dos maridos, noivos e namorados mal feitores. E exatamente mil dias depois da união com o capeta e no meio de uma relação deu seu último gozo junto a um grito de prazer da sua milésima mulher que não lhe acudiu, simplesmente saiu de cima dele achando que aquilo não passava de encenação e vestiu sua roupa indo embora após aquela aula de amor, romantismo e sacanagem. Ela relatou para suas amigas, o que fez com ele, porém nenhuma delas pode sequer ouvir a voz do homem das mil mulheres…