Uma cerimônia inédita no Colégio Tiradentes

0
40

Com a criatividade dos brasileiros, o coronavírus está levando os seus dribles e o mundo não vai ser vencido por ele. A prova está no Colégio Tiradentes, de Santo Ângelo, onde o diretor, capitão Régis Copetti e o tenente Aramis Bakof bolaram uma saída para realizar a cerimônia de entrega da boina da Brigada Militar para os alunos que já cursaram um ano de atividades na escola.

A entrega da boina é uma solenidade simbólica, que sinaliza o avanço dos alunos para séries seguintes e demonstra que estão aptos a concluir o curso. Ficam também autorizados para usar os uniformes da Escola fora das atividades curriculares.

O inusitado da solenidade de ontem é que a entrega da boina foi feita em regime de drive-in, com os carros dos pais (eles dentro) estacionados estrategicamente em frente ao Colégio, enquanto o aluno e seus padrinhos se dirigiram a um palco para receber o símbolo de reconhecimento da escola.

Os pais, acomodados dentro de seus carros, de onde não poderiam sair, puderam acompanhar toda a cerimônia através de um telão instalado em frente a escola e sintonizando o som através de um canal de FM.

O projeto foi um piloto de cerimônia e que, se der tudo certo (foi ontem a noite) vai ser copiado pelo Comando da Brigada Militar e será implantado nas demais escolas do Estado.

Em tom de brincadeira, o diretor Copetti disse que se tudo desse certo, teriam o reconhecimento do Comando, mas do contrário, poderiam aguardar uma “transferência” para o Chuí. E emendei: ou para o Oiapoque!

Brincadeiras à parte, foi uma criação genial!.

 

Loureiro pede agilidade para efetivação
da lei em socorro aos transportadores escolares

Gestado após intensa mobilização de parlamentares como Eduardo Loureiro, o projeto de lei aprovado pela Assembleia no dia 23 de setembro, em socorro aos transportadores escolares no RS, ainda não foi sancionado, para desespero das empresas deste setor que gera 5 mil empregos e que aguardam a lei para acessar o auxílio.

Nesta terça dia 14, o deputado Loureiro manifestou preocupação com a demora na sanção, pedindo agilidade aos departamentos responsáveis pela tramitação legislativa, para que a lei seja sancionada imediatamente e se torne efetiva como medida de auxílio para evitar a falência das empresas de transporte escolar e os consequentes problemas que isso acarretará nesta importante atividade de levar e trazer estudantes.

 

Polícia Federal estoura o “cofre” secreto do senador Chico Rodrigues

Ainda não vi tudo nesse Brasil. Esconder dinheiro em meias, sacos plásticos, no bolso, calcinhas e até cuecas já tinha visto, mas esconder o lobo-guará nas nádegas, protegidas pela cueca, e ainda mais que o autor da façanha é um senador da República, amigo pessoal do presidente Bolsonaro, a ponto do chefe da Nação dizer que era quase uma união estável, é um enredo quase impossível de se acreditar.

Quando o ex-presidente Lula disse que no Congresso tinha uns 300 picaretas, aos quais ele próprio se aliou mais tarde, foi enxotado pelos moralistas de plantão.

No caso do indigitado senador, as cenas que se desenrolaram dentro da casa dele, em Boa Vista, Roraima, são cinematográficas. Quando sentiu que a implacável Polícia Federal não dava folga, ele tentou ir ao banheiro para se desfazer do pacote de dinheiro que carregava entre a meia lua das nádegas.

Pediu licença ao delegado que comandava a operação e recebeu o consentimento. Só que o delegado da Polícia Federal disse que poderia ir, mas que ele iria junto. Segundo testemunhas, naquele momento o senador quase teve um troço.

Já dentro do banheiro, o delegado atrás dele, constatou que havia um pacote retangular dentro da cueca e mandou ver. Recolhido o dinheiro, foi certamente a primeira vez na história que a Polícia Federal verdadeiramente teve que fazer “lavagem” do dinheiro.

Coitado do lobo-guará. Nem apareceu ainda em Santo Ângelo e leva uma “desmoralizada” desse tamanho. Ou você já viu ou colocou no bolso uma nota de R$ 200,00?

 

Advogado e poeta é vencido pelo Coronavírus

Em menos de seis meses, o Coronavírus venceu a luta de dois ícones da música nativista gaúcha diretamente ligados ao Canto Missioneiro de Santo Ângelo.

A primeira vítima foi o cantor Jorge Freitas, que contraiu o vírus durante uma apresentação feita em uma fazenda para amigos em Cruz Alta. Foi fulminante o ataque do vírus em seus pulmões e morreu uma semana depois.

Na noite de quinta-feira (15), a Covid-19 venceu o advogado e poeta Olgi Zauza Krejci, aos 82 anos de idade. É bem verdade que ele já sofria de outras comorbidades, entre as quais, uma pneumonia. Internado no Hospital da Unimed há vários dias, não resistiu.

A inesperada notícia causou comoção no meio artístico de Santo Ângelo. O dr. Olgi, como era chamado, foi expoente na composição de letras musicais e não poucas vezes foi jubilado com a qualidade de suas músicas, como em 2014, quando compôs para a interpretação de Rubilar Ferreira a música Missioneiro Tio Bilia, que o consagrou no segundo lugar do Canto Missioneiro.

Também era assíduo frequentador do Recanto do Sabiá, onde passava noites inteiras apreciando as interpretações de músicas que ele mesmo havia composto.

Que Deus o acolha e conforte sua família.

 

  • Embora todas as atenções com a Covid-19 não dá para esquecer e relaxar em relação a dengue. Santo Ângelo não tem casos registrados há dois meses, mas nem por isso podemos esquecer daquelas ações preventivas para evitarmos que no forte do verão venhamos a ter novamente um número grande de casos.
  • Na disputa para a Câmara de Vereadores continuamos vendo algumas ideias mirabolantes e propostas fora do alcance do poder legislativo municipal. Em alguns casos, beira o ridículo. Os candidatos devem ter mais cuidado, pelo menos buscar o conhecimento sobre a função real do vereador.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here