A economia e a indústria do futuro

0
135

Sempre se falou e escreveu sobre o futuro, mas considerando a velocidade com que tudo pode mudar, as mudanças de ruptura que vimos acompanhando e o que já se sabe que está pronto para nosso futuro imediato, acredito que nunca foi tão importante quanto agora, entender melhor a economia e a indústria do futuro.

Houve uma revolução industrial que todos estudamos em história, quando as máquinas a vapor e as primeiras produções em série começaram em larga escala. A segunda revolução industrial, acelerada pelas grandes guerras trouxe a rápida mecanização da produção, desde a produção agrícola até as fábricas com motores elétricos e a combustão. A terceira revolução industrial vem ficou marcada pela automação industrial e veio mais rápido do que se imaginava. Vemos cada vez mais máquinas, fábricas e todo o tipo de empresas automatizando processos, aumentando a presença de sensores, robôs e outros, mudando a característica da mão-de-obra qeu era mais braçal, para um número cada vez maior de empregos com maiores níveis de conhecimento agregado. Todavia, o conjunto de inovações, mudanças que vem chegando mais rápido do que se espera, em muitos casos é tão grande que é quase unâmime dizer que estamos diante da 4ª revolução industrial.

A nova revolução industrial vem acompanhando uma grande mudança de hábitos das pessoas, portanto alinhada com as mudanças comportamentais, o que está diretamente ligado com as mudanças na economia local e mundial. O movimento iniciado na Europa teve forte crescimento e destaque na Alemanha, que chama de Indústria 4.0, enquanto a América do Norte e a Ásia chamam de Manufatura Avançada. Não importando o nome, o fato é que precisamos nos preparar para aproveitar o melhor deste tempo para nossos negócios e nossas regiões.

É certo que empresas pequenas, médias ou grandes e poderosas como a Kodak, se não tiverem a capacidade de se adaptar, mais cedo ou mais tarde serão ser meras lembranças. Produtos mais orientados aos interesses dos consumidores, com mínimo desperdício, serviços cada vez mais cooperados, serviços como sinais de TV, internet e telefone compartilhados, assim como carros elétricos e autônomos, escritórios e unidades de produção serão em breve de entendimento comum e compartilhado, do que propriedades de uma pessoa, dando acesso mais barato e permitindo que cada vez mais pessoas tenham mais conforto e segurança.
Grandes volumes de informações disponíveis para serem utilizadas das mais diferentes maneiras, reduzindo custos, melhorando em muito a saúde das pessoas, a qualidade dos produtos, a adaptação ao uso e com o mínimo desperdício é o que devemos ver nos próximos 5 anos, quando especialistas afirmam que 85% do que vamos comprar e consumir ainda não foi criado. 5 anos é logo ali, 2021, quando estiverem se formando, aqueles que vão ingressar agora na faculdade.

Algumas iniciativas surgem no Brasil para entendermos melhor a Economia e a Indústria do futuro e aproveito o espaço para convidar os amigos para o Seminário de Inovação e Empreendedorismo que ocorrerá dias 19, 20 e 21 de outubro, em Horizontina, no campus da FAHOR, onde 24 palestrantes ao longo dos 3 dias, mais oficinas e visitas técnicas abordarão as diferentes formas de inserir os negócios atuais e os futuros, na 4ª revolução industrial. As palestras são á noite e ocorrem ao mesmo tempo em diferentes ambientes. No momento da inscrição, que pode ser feita pelo site http://fahor.com.br/sief2016/inscricao é possível escolher os assuntos para cada momento. É possível fazer a inscrição para 1, 2, ou 3 dias, com R$ 20, para cada dia ou R$ 50, os 3 dias. O ingresso é acessível em função do conjunto de parcerias que se formou, principalmente pelo aporte financeiro do município de Horizontina, empresas e entidades da região. É um momento imperdível, onde temas e palestrantes que raramente estariam juntos vão auxiliar empresários, profissionais e estudantes a entenderem como aproveitar melhor o que vem por aí.

Um abraço e até a semana que vem!