Alavancando os negócios estrategicamente

0
138

Seguindo na reflexão da semana anterior, da qual também recebi boas manifestações sobre as estratégias propostas por Phillip Kotler, um dos mais célebres estudiosos da área, seguimos comentando e abordamos hoje mais algumas ideias que podem ser adaptadas para os negócios dos amigos leitores.

A partir do entendimento de que o marketing antigo morreu e que precisamos inovar incansavelmente nossas estratégias, muitas de nossas atividades precisam ser revistas, para obtermos melhores resultados. Conhecer cada vez melhor os clientes e manter as informações sistematizadas, com aplicativos que apoiem os contatos e o entendimento entre vendedores e clientes é uma tarefa de todos os que participam de um negócio. Além disso, é preciso planejar e dirigir as estratégias de mercado para o futuro, pois como todos já sabem, o sucesso do passado não garante o futuro de ninguém. Seguindo, vamos refletir hoje sobre mais algumas estratégias para alavancar os negócios, propostas por Kotler.

– Seus clientes devem participar do desenvolvimento de produtos – Kotler é um dos defensores da cocriação de produtos e negócios entre direção, colaboradores, clientes e consultores. A criação coletiva e colaborativa de negócios e produtos permite de alguma forma que o cliente, consumidor ou usuário faça parte e sinta-se parte do processo criativo e produtivo, permitindo mais e melhores relacionamentos, buscando clientes defensores de sua marca e seus produtos. Não é apenas chamar os clientes para testar os produtos e sim, realmente participar da criação tanto de novos produtos, quanto do aprimoramento e da inovação dos produtos e dos negócios atuais. Pense na fábrica de salgadinhos e na fábrica de refrigerante nas quais os consumidores foram convidados a sugerir novos sabores, dando direito a participação nos lucros das respectivas propostas implantadas. Fábricas de motocicletas, automóveis, brinquedos, já são expoentes desta linha de trabalho.

– Lembre da responsabilidade socioambiental da organização – As tendências mostram que cada vez mais consumidores quando tem opção, escolhem produtos, marcas e empresas que mostram preocupação com algum tipo de questão socioambiental. É preciso alinhar as diretrizes do negócio, visão, missão e valores com a mente, o coração e o espírito do mercado alvo. Para vender mais e melhor é preciso entender, atender e conquistar a mente, o coração e o espírito das pessoas. Cada vez mais gente está escolhendo entre o que é certo e o que é lucrativo, preferindo o que é certo. A cada dia, mais pessoas abrem mão de alguma vantagem momentânea por atos de responsabilidade social e ambiental, assim como mais empresas abrem mão de lucro momentâneo para embutir em seu DNA, na visão percebida, nos princípios institucionais, um forte apelo de responsabilidade social. O estudioso afirma que é preciso substituir o conceito de que o que é bom para a empresa, é bom para a sociedade, pelo conceito de que o que é bom para a sociedade, é bom para a empresa.

Negócios cada vez mais conectados com seus clientes e prospects, não somente por um atendimento de necessidades racionalmente identificadas como preços melhores, ou entregas mais rápidas, ou ainda melhor desempenho serão cada vez mais prósperas. É preciso que cada pessoa na organização entenda ao tomar uma decisão, uma atitude, ou realizar uma ação, que o cliente é dotado de mente, coração e espírito. Quem entender e atender a estas três dimensões vai conquistar de forma completa os clientes que deseja.

Desejando que cada um possa identificar mais e melhores formas de conexão entre clientes e negócios, um abraço a todos e até a próxima!