Gestão, Negócios & Cia

0
118

 Compartilho a frase de Frank Herbert, para insipirar os negócios dos amigos leitores: “Qualquer caminho que feche possibilidades pode tornar-se uma armadilha mortal.”
Qual é o preço do seu negócio?

Apesar de ser a atitude que move as pessoas a empreenderem e que só se ganha dinheiro quando se contribui com a vida de alguém, tendo a inspiração como essência, o lucro está sempre presente nos objetivos de qualquer negócio. Entre a atitude e o caixa, há o apego pela ideia, pela criação, construção, idealização do empreendedor. Com o Brasil registrando recordes de negócios sendo vendidos em parte ou no todo, seja para investidores, parceiros, concorrentes, locais ou até de fora do país, muita gente passa a avaliar a possibilidade de ter um sócio investidor, ou até vender o negócio todo. Você já pensou em vender o seu negócio? Já pensou em comprar parte ou toda a empresa de um parceiro, fornecedor, ou concorrente?

Compartilho aqui alguns pontos da coluna de Carol Tice da revista Entrepreneur, que abordou esta questão, entrevistando alguns empresários a respeito. Ao que tudo indica, para decidir o que fazer diante de uma possibilidade de negócio, tudo se resume a clarear bem o motivo pelo qual você empreende. É para ficar milionário? É para mudar o mundo? É para deixar um legado? Seja qual for a sua motivação, determinar um valor exato para uma ideia nunca é fácil. Muitos empresários enxergam seus negócios como filhos, o que sempre resulta em mais dificuldades de estabelecer critérios sensatos sobre o verdadeiro potencial dos negócios.

Existem metodologias específicas para determinar o preço real de um negócio. Inclusive em alguns setores mais consolidados, as fórmulas estão prontas e se sabe rapidamente o preço de mercado do negócio. Todavia, nenhuma das metodologias leva em conta o aspecto emocional do empreendedor. Até porque, quem é investidor não está disposto a pagar pelos sentimentos que outra pessoa tem envolvido no negócio que criou, cuidou, recebeu…. Assim como bons pais criam os filhos para o mundo, é preciso ter em mente o que é realmente melhor para o seu empreendimento a longo prazo. Desse modo, em vez de pensar no volume de recursos ofertados pelo investidor ou futuro sócio, o melhor talvez seja avaliar o que este investimento poderia trazer para o futuro da empresa.

É importante lembrar também que, além de alguns dígitos a mais na conta bancária, uma proposta interessante pode ser o empurrão que falta para a sua ideia conquistar novos horizontes, como novos mercados, novos produtos, etc. Lucrar mais, quase todos querem, mas é preciso se perguntar: você está pronto para abrir mão de parte do controle dos negócios para crescer e lucrar mais? Se estiver pronto, bons negócios! Os investidores estão bem próximos de você e é preciso mostrar que há um ótimo investimento para eles.

1ª franquia gaúcha de alimentos naturais

Nesta quarta-feira, será lançada oficialmente a Mais Natural, 1ª franquia gaúcha de alimentos naturais. O empreendimento da empresária Sandra Marasca Martini tem um plano de negócios muito atrativo a empreendedores que desejam ter um negócio no ramo. Uma boa parte do mix de produtos terá marca própria e será produzido na fábrica própria da franquia, com matéria-prima cultivada em áreas da própria empreendedora, garantindo qualidade superior em todos os elos da cadeia produtiva, com produtos diferenciados que também se destacam pela embalagem altamente atrativa e prática.

A equipe da Referenda Consultoria se orgulha em ter acompanhado o empreendimento desde as pesquisas de mercado, passando pelas análises de viabilidade, o plano de negócios e a circular de oferta de franquia. O empreendimento é um belo exemplo de como é possível agregar alto valor integrando de forma inteligente, cadeias de negócios.