Gestão, Negócios & Cia

0
105

A frase para refletir sobre a sua empresa nesta semana é de Jeffrey Gitomer: “O ponto certo é como um elevador. Ele irá até o último andar, mas só funciona se você apertar o botão certo.”

Comunicação e relacionamento organizacional

Nesta sexta-feira e sábado trabalharei com uma turma de Especialização em Gestão de Pessoas da FEMA a disciplina Comunicação e relacionamento interpessoal e ao preparar a aula lembrei de muitos pontos que gostaria de compartilhar com os amigos leitores. É fácil constatar que por desconhecer o funcionamento das emoções humanas, ou por pura inconsequência, são gerados muitos problemas de produtividade, disciplina, motivação, planejamento, qualidade e organização no trabalho. Numa organização que não possui uma boa comunicação corporativa se verifica a corrosão de estruturas saudáveis e a inviabilização de projetos de longo prazo.

A ideia (ingênua) de que a simulação da perfeição, seja forjada no discurso, ou na imagem, basta para silenciar as vozes dissonantes, não é apropriada. A emoção e os sentimentos que podem ser originados pela comunicação, seja ela formal, ou informal, diante da realidade, servem de guias internos e ajudam a comunicar aos outros o que se pensa naquele momento, segundo pesquisas de Egger-Moellwald (2011).

Desta forma, mesmo que de forma simples, você precisa fazer uso de reuniões periódicas, murais, atrativos visuais, e-mail, intranet, avisos em pontos estratégicos como o relógio ponto e outros vários meios que podem ser criados para a realidade do seu grupo. O importante é oferecer uma variedade de meios para se comunicar, lembrando que quanto maior o grupo, mais diversidade de formas de comunicação devem haver.

Em qualquer das formas de comunicação, devem ser levados em conta a ordem e as etapas necessárias para um bom efeito da comunicação como: 1º chamar a atenção, 2º gerar interesse, 3º despertar desejo pelo que estamos comunicando e 4º provocar a ação deseja por quem comunicou. Faça uma breve análise da periodicidade das reuniões com sua equipe, também da forma como ocorre a comunicação nestas reuniões e ainda os murais, os e-mails, os cartazes, a sinalização interna, as conversas informais e possivelmente vai encontrar vários pontos que possam ser melhorados para a comunicação da sua organização. Com uma comunicação melhor, os relacionamentos vão se desenvolver melhor, a partir da clareza das informações, da abertura para uma maior expressão das ideias e do aumento dos níveis de confiança.

Telefone e e-mail auxiliando nas vendas

Dicas de como atender e vender por telefone existem muitas e aproveito para compartilhar aos leitores o que orienta Jeffrey Gitomer, em a Bíblica de Vendas (2011). Este autor como outros, orienta que devemos sempre sorrir, enquanto falamos ao telefone, pois isso é percebido pelo interlocutor (mesmo sem ver você). Não esqueça de dizer o seu nome e de que empresa você está falando. Vá direto ao ponto sendo objetivo nas duas primeiras frases. Diga o que você quer, de modo sucinto e agradável, mas não esqueça de acrescentar um pouco de humor. Ofereça ou peça ajuda e diga que você tem informações importantes. Seja persistente, independentemente de qual for o objetivo que o levou até a pessoa… persista até consegui-lo.

Sabe-se que muitos profissionais erram ao perguntar se a pessoa recebeu as informações que foram enviadas. O melhor é dizer que está ligando para complementar as informações enviadas, e para explicar melhor e por isso gostaria de conversar pessoalmente por alguns minutos. Esta comunicação vai funcionar de forma mais positiva e pode despertar mais interesse no que você está propondo. Gitomer sugere algumas boas frases para abrir uma fala ao telefone como: “Estive pensando no que vocês fazem…”, “Tenho uma solução para vocês…”, ou ainda “Tenho algumas informações importantes que produzirão um impacto positivo na sua empresa.”