Gestão, Negócios & Cia

0
107

Steve Job segue inspirando muita gente e nesta semana compartilho um pensamento do falecido empresário e pensador “Ser o mais rico do cemitério não é o que mais importa para mim… ir para a cama à noite e pensar que foi feito uma coisa grande, isso é o que mais importa para mim.”

Os pequenos negócios têm baixa inadimplência

Conforme pesquisa divulgada no mês passado pela Serasa Experian, os pequenos negócios deverão manter em 2013 a mesma tendência de baixíssimo nível de inadimplência, conforme ocorreu no ano passado. Os dados indicam que 95,4% dos pequenos negócios pagaram suas contas em dia em 2012, quando foi obtido o maior índice, nos últimos 6 anos, desde que a Serasa tem realizado a pesquisa.

Alguns motivos da baixa inadimplência são as taxas de juros que seguem em baixa, comparando-se com anos anteriores, o alto nível de empregabilidade da população e o aumento no nível de escolaridade dos gestores e empreendedores, que está acima da média nacional da população. Este conjunto de situações favorece o bom desempenho dos pequenos negócios para 2013 e conforme esta situação vai se consolidando, a tendência é de os pequenos negócios terem taxas de juros mais atrativas na busca de crédito, tanto de seus fornecedores, quanto em instituições financeiras, devido ao aumento da fama de serem bons pagadores.

A sua aparência vende

Vários são os livros que deixam cada vez mais claro que a marca pessoal comunica muito e principalmente para quem vende algum bem ou serviço, ela está entre os fatores e maior importância. Um dos detalhes que você deve dar maior atenção é para o fato de alinhar a sua marca pessoal ao que você deseja vender e passar de conceitos. Se você vende algo na linha de higiene e limpeza, você deve ser muito asseado, se você vende algo na linha de organização, você deve se planejar muito bem e mostrar-se muito organizado, assim por diante.

Marca pessoal é muito mais do que a sua aparência, mas o que as pessoas vêem de você contribui muito para reforçar ou atrapalhar a sua imagem. Para ter mais claro como é a sua marca pessoal, você pode conversar com alguns amigos, ou colegas em quem confia, 5 ou 6 deles em separado, e solicitar que lhe dêem um feed back sincero e honesto sobre como percebem a sua marca pessoal, o que ouvem falar de você, como o vêem, quais as imagens mentais mais ligadas ao seu nome, dentre outros. Pergunte a estas mesmas pessoas a respeito do seu estilo, elegância, higiene, limpeza, aparência, atenção aos detalhes, entre outros que sejam necessários à marca que você necessita e deseja. Procure também perguntar se eventualmente você tem algum movimento, fala, ou hábito que possa irritar as pessoas. Se houver, peça ajuda para corrigir imediatamente.

Estes detalhes vão contribuindo com a sua marca pessoal e outra sugestão importante que pode ser encontrada no livro “O poder do carisma”, de Andrew Leigh, é para você conseguir uma câmera e filmar-se entrando numa sala, ficando em pé e argumentando algo para a câmera. Avalie depois qual imagem você parece transmitir pela sua aparência. Veja se aquela imagem vende bem o que você deseja que os clientes comprem de você. Sobre isso, relembro a frase de Sepp Nagle “Eu posso convencer qualquer um, se antes eu conseguir convencer a mim mesmo.”

É preciso lembrar ainda que nenhuma marca sobrevive a um mau produto e que portanto é fundamental que o profissional tenha boa argumentação e esteja sempre disposto a assegurar aos seus clientes a melhor proposta e que traga os maiores benefícios para eles. Assim, uma boa marca pessoal com um bom produto podem gerar muita prosperidade!
Um abraço a todos e até a próxima semana!