Para elevar a motivação

0
131

Embora seja um tema muito debatido, estudado, pesquisado, a motivação humana, em especial nas organizações, vem preocupando cada vez mais a maioria dos líderes e gestores nas organizações ao nosso redor, que precisam além da capacidade de superação dos problemas surgidos em vários momentos do dia, contribuir com a elevação da motivação de sua equipe.
Em temas que muita gente fala e escreve, sempre há entendimentos um pouco diferentes a respeito, e com a motivação não é diferente. Todavia, a própria palavra nos dá uma boa orientação: “motivo” + “ação” = “motivação”. Ou seja, quando buscamos motivação, seja para nós, ou para pessoas das nossas equipes, precisamos de motivos para a ação. Os nossos motivos para fazermos ou não determinadas ações, são gerados por questões fisiológicas, intelectuais e/ou afetivas, agindo muitas vezes ao mesmo tempo sobre as ações das pessoas.
A desmotivação pode acontecer por diversos fatores, onde na maioria são aspectos internos como a falta de entusiasmo, atitude, interesses e habilidades ou questões externas, normalmente das necessidades humanas como falta de reconhecimento, falta de dialogo entre líder x liderado, falta de feedback franco, falta de oportunidade de crescimento, falta de critérios para promoção, ambiente de trabalho sem desafio, insistência de avaliação individual, infraestrutura inadequada, equipamentos, ferramentas e métodos de trabalho defasados, falta de espaço para inovação, clima de trabalho ruim e falta de liderança. Faça uma reflexão sobre estes aspectos verificando quais podem ser melhorados na sua organização e a motivação da equipe vai melhorar, certamente.
Estudiosos que pesquisam o que mais motiva as equipes, recomendam as seguintes ações:
– criação de uma estrutura organizacional clara, na qual todos entendam seu papel e sua contribuição para o sucesso da organização;
– honestidade, sinceridade e articulação na relação dos acordos de trabalho;
– manutenção de uma política de remuneração alinhada com as prioridades do negócio, tendências de mercado e focada na meritocracia;
– revisão e supervisão de performance, para assegurar que ela reflita de forma correta a nova realidade corporativa e que seja motivadora para seus talentos-chave;
– tomada de decisões baseadas em fatos e na análise racional, evitando ao máximo as emoções e o lado pessoal;
– geração de um clima de trabalho agradável, com melhorias contínuas nas relações interpessoais entre a equipe;
– criação de canais para sugestões e inovação, para colher melhorias de resultados produtivos e operacionais, valorizando as ideias e engajando mais as pessoas;
– organização dos processos internos para que os problemas sejam resolvidos a partir do esforço coletivo, possibilitando exercer mais as habilidades relacionais;
– avaliação de performance e competências periodicamente e com critérios claros e em itens que estejam dentro da área de abrangência e ação de cada pessoa;
– implantação de uma cultura de feedback franco, que é vital para o sucesso e desenvolvimento das pessoas e das equipes;
– desenvolvimento e investimento em colaboradores que possam futuramente ocupar cargos complexos e agregar valores a organização, proporcionando também, oportunidades reais de carreira e ambiente de trabalho desafiador;
– identificação clara de talentos que possui, para buscar a manutenção daqueles que irão agregar mais a organização no longo prazo;
– manutenção de liderança efetiva, visível e de comunicação aberta deixando os colaboradores saberem para aonde o negócio está indo, o que precisam fazer, monitorando resultados e primando pelo que é correto e ético.
Com as pistas acima, tenha a certeza de que é possível mudar o quadro de motivação da sua equipe. Bom trabalho, um abraço e até a próxima!