Vida profissional é meio ou é fim?

0
114

“Apenas o otimismo honra o ser humano. O pessimismo aproxima-se muitas vezes da inação, da imobilidade, e nossa história é a negação do pessimismo.” Mário Sérgio Cortella

Numa entrevista para a HSM Management, o admirado pensador Mário Sérgio Cortella, provoca os leitores com questões existenciais e filosóficas como “ter” e “ser”, que geram angústias e afligem muitos executivos, incluindo situações como a demissão e a aposentadoria. Outro estudioso, Jean Bartoli relembra que o fato de que atualmente a inserção social se dá por meio da vida profissional. A questão que se põe é que cabe a cada um de nós olhar a profissão como um meio ou um fim.
Para muitas pessoas a vida familiar é que é fundamental, enquanto a vida profissional serve de sustento da família e do indivíduo, o que não é impeditivo para ser um profissional honrado, digno e eficiente, não mudando nada em termos de desempenho.
Os estudiosos acreditam que a angústia que aflige os executivos no momento de um desligamento está associada ao sentimento de pertencimento a um grupo cada vez mais forte na sociedade, especialmente, na ocidental. O desligamento de uma organização seja por demissão, transferência ou aposentadoria obrigam a pessoa a retornar para a sua estrutura individual, o que principalmente para aqueles que priorizam a vida profissional é mais difícil. A pessoa sente que perde, por exemplo, um sobrenome corporativo, que na maioria das vezes, dá uma identidade mais ampla.
A recomendação é para superarmos pelo menos três desafios:
1- Excesso de informações e escassez de tempo – é preciso discernimento para a escolha das atividades prioritárias e eliminar as tarefas desnecessárias. Para isso é preciso disciplina, foco e concentração;
2- Pessimismo sobre a situação econômica – visões otimistas ou pessimistas podem alimentar círculos virtuosos ou viciosos na economia das organizações. O otimismo por sua vez não pode ser ingênuo, portanto, precisamos de um otimismo crítico, para sermos realmente construtivos;
3- Ética e valores – se a grande questão da economia é como vamos sobreviver, a grande questão da ética é como vamos conviver e as duas são fundamentais para responder como vamos viver. Os princípios éticos não são imutáveis, pois precisam ser postos dentro dos devidos contextos. A ética é sempre de uma comunidade, de um coletivo e de um tempo, conforme defendem estudiosos como Cortella.
O combate ao utilitarismo e o produtivismo da sociedade ocidental é feito por vários grupos, referindo-se aos momentos de trabalho e também de lazer. A visão mais hedonista da vida vai ganhando espaço neste combate. Para o grupo que prefere aproveitar a vida sem compromissos coletivos, tendo apenas o compromisso consigo mesmo e com o próprio prazer, o que pode-se entender como hedonismo maléfico, possivelmente haverá mais dificuldades de convívio social, na contemporaneidade.
Já para o hedonismo mais positivo, que recusa o trabalho como um fim em si mesmo, o que vale é o que é essencial para a vida, como a amorosidade, afetividade, sexualidade e religiosidade. Produtividade, rentabilidade, lucratividade e a ideia de competitividade são fundamentais, mas não essenciais nesta linha de pensamento. O fundamental é aquilo que ajuda a chegar no essencial.
Com este breve reflexão, espero que você possa ser e ter para alcançar o essencial! Até a próxima!