O bombom da morte…

0
117

Ela era muito ciumenta. Um poço de ciúmes, como dizem os mais antigos. O ciúme era tanto que ela não podia enxergar o ex-namorado com outras moças. Até que um dia ela suspeitou que o “ex” estaria em um envolvimento amoroso com outra.

Mesmo ela não sendo mais a “titular”, pois o namoro já havia acabado, ela não aceitava que o “ex” tivesse outro amor. Não havia também certeza de que ele estivesse novamente envolvido com alguém, mas ela não poderia suportar essa ideia, ao enxergá-lo conversando com uma mulher…

Certo dia, mais precisamente em 28 de julho de 2008, ela resolveu convidar a moça que ela imaginava estar envolvida com o seu “ex” para uma conversa, um bate papo. Durante a conversa ela gentilmente lhe ofereceu um bombom, porém com veneno…

Dada a primeira mordida, a vítima sentiu um gosto amargo e logo depois começou a passar mal. Preocupada, procurou um hospital e, com visíveis sintomas de envenenamento, recebeu socorro e foi submetida a uma lavagem estomacal.

Após a sua recuperação comunicou a polícia sobre o acontecido, que encaminhou o caso à Promotoria de Justiça.

Ao estudar o caso o promotor entendeu que houve tentativa de homicídio e denunciou a mulher ao júri popular.

O fato aconteceu no Distrito Federal e, na semana passada, o Tribunal do Júri condenou a ex-namorada ciumenta a cinco (5) anos, oito (8) meses e dez (10) dias de prisão que será cumprida inicialmente em regime fechado.

Conforme ficou claro no processo, a mulher premeditou o crime, demonstrando-se insensível com a vida alheia. Segundo as provas coletadas, ela não temia a Justiça e mesmo depois do episódio do bombom, ela ainda procurou a moça e lhe fez ameaças.

Apesar da vítima não apresentar lesões, ela mordeu o bombom, cuspindo parte dele logo em seguida. Por isso os jurados entenderam que a criminosa esteve muito próxima de conseguir a morte tão desejada… (Fonte TJDF Processo 219.112-9)

É… realmente impressionante até onde chega a maldade humana, o sentimento de posse por alguém e a total falta de noção de vida em sociedade. São estes “loucos soltos” que colocam em risco a vida das pessoas de bem… Saber identifica-los no nosso meio, é o grande mistério.

Das minhas leituras da madrugada: “Quem é escravo dos sentimentos, não pode controlar a própria vontade”- (Provérbio Chinês)