Férias sempre necessárias

0
115

Nem todas as pessoas puderam desfrutar de um período de descanso; os compromissos pediram trabalho. Uma pausa na rotina diária necessária para restabelecer as energias físicas e mentais e para despertar iniciativas que deverão ser tomadas ao longo do ano.

Pena que seja assim para alguns.

A verdade é que, após esse tempo de não fazer nada e ocupar as semanas em caminhadas, pescarias, banhos de água doce ou de mar, ler aqueles livros esquecidos nas prateleiras, principalmente se encontrar com a família com espírito desarmado, o ser humano se torna outro.

Diversos fatores impediram essa oportunidade que o calendário quente do verão ofereceu, e não cabe discuti-los. Cada pessoa sabe onde lhe aperta o sapato.

Quantas novidades e surpresas aconteceram no período de trinta dias! Coisas impensáveis e maravilhosas foram registradas.

Retorna-se após férias outra criatura, corada pelo sol escaldante, com o juízo outra vez no lugar e muito lúcido.

E a descoberta sensacional de que o mundo pela frente proporcionará problemas que poderão ser resolvidos com bom senso e com tranquilidade. Haverá muito espaço para a realização dos sonhos guardados há tanto tempo.

Assim terá acontecido por certo. De agora em diante tudo será diferente.

ÁGUA

Faz anos que é anunciada a escassez de água doce no planeta e, apesar das advertências, não são tomadas providências. Consome-se água desnecessariamente em diversos momentos. As lavouras continuam bebendo água dos rios. Descura-se da necessidade de criar condições para a sede dos animais domésticos. Enfim, vive-se do mesmo jeito na esperança de que nunca vai faltar água.

Ora, ora. Que absurdo. O planeta continua recebendo poluentes de toda natureza, as chaminés das fábricas mandam para o ar toneladas de fumaças químicas.

Sobreveio calor e seca. A economia ficou prejudicada, lavouras foram perdidas e morreram animais domésticos e peixes. Restou pouca água para o ser humano saciar a sede, mas até quando?

MAGISTÉRIO

O ex-presidente Lula com mais seis ministros, entre eles o governador Tarso, foram responsáveis pela Lei do Piso Salarial dos Professores, hoje na ordem de R$ 1.451,00. Quando o governo era exercido por Yeda, afirmava-se que ela não cumpria a Lei 11.738 por absoluta falta de vontade política. Deixando o ministério e assumindo o governo do Estado, o doutor Tarso nega-se a pagar o Piso, apresentando uma proposta de pagamento a prestação até 2014 com o valor superado de R$ l.269,19. Estar fora do governo é mais fácil fazer do que ao conquistar o Palácio!

POLÍTICA

Logo a campanha estará nas ruas. Nomes alinhados politicamente à espera da aceitação popular. É importante que os eleitores saibam conhecer o passado de cada um, a dignidade no exercício de cargos e a verdadeira intenção de chegar à Chefia do Executivo. Com os vereadores a mesma coisa, que não estejam preocupados com o ganho que terão após a posse.

É importante a população acompanhar o desdobramento das articulações visando às composições para as chapas majoritárias. Passado esse momento, lançados os nomes, restará aos eleitores apenas o direito de optar, ainda quando os candidatos propostos pelos partidos não lhes pareçam ser os melhores.