Papa é argentino

0
137

Pelo pouco que entendo de eleições papais, penso que foi uma boa escolha a do cardeal argentino. É um religioso da nossa América, de um país com maioria de católicos, que tem um forte carisma junto à população menos possuída de recursos.

Se não ocorreu a eleição de um cardeal gaúcho, podemo-nos contentar com Deus, que é brasileiro. Estamos bem, portanto.

A verdade é que a Igreja católica estava merecendo uma sacudida, tendo em vista o aparente distanciamento do povo, além de um gigantesco crescimento de outras confissões religiosas. Nada contra as religiões que falam do mesmo Deus e pregam a mesma mensagem de amor.

Há algumas que se preocupam mais com bens materiais do que com bens espirituais.

Houve alguma contestação contra a indicação do papa argentino, induzindo a acreditar que ele, no passado ditatorial da Argentina, teve certa influência. Assunto já explicado e que não compromete o seu passado.

O então cardeal realizou mais obras do bem do que obras do mal, tanto que é idolatrado no seu país.

Nesta Semana Santa, momento de recolhimento e de renovação de fé, é importante que oremos para que o papa possa confraternizar com todas as religiões e possa contribuir para o bem da humanidade.

Habemus Papam.

RISCO

O tão ambicionado cargo público, em diferentes níveis, é motivo de cobiça por parte dos companheiros. Nem tanto pela remuneração, insuficiente, mas pelo poder que oferece ao ocupante.

Ocorre, porém, que a fiscalização feita pela sociedade é necessária e rigorosa a fim de evitar desvios de recursos ou uma má aplicação do dinheiro oriundo de tributos – impostos, taxas, serviços etc.

Não apenas os que ocupam os cargos de confiança menores, mas também os escolhidos para responsabilidades maiores, todos serão chamados a prestar contas num evento desagradável, ainda que objetivamente não tenham dado causa ao acontecimento.

Como controlar uma extensa máquina pública? Só resta manter confiança nos escolhidos. Aí corre o perigo e o cuidado-dever do responsável maior.

Esta é a razão de muitas pessoas não aceitarem indicação para cargos.

NOMES

Olhamos as placas de ruas e o nome colocado em escolas municipais, e nos perguntamos: quem foi e o que fez tal personalidade?

Os mais antigos conheceram as pessoas e informam o passado que tiveram e a importância para o município.

Seria interessante que o Museu Municipal José Olavo Machado ou uma entidade de ensino superior pesquisasse sobre a denominação de próprios públicos e deixasse o material à disposição da população e de visitantes.

1ª DE ABRIL

Meu dia. Dia do bobo. Porque acredito no país, na liberdade e na dignidade humana. Porque penso que os políticos de Brasília são todos honestos e se preocupam com a população brasileira. Porque sonho com o dia em que os impostos não serão tão pesados contra o povo e que os recursos serão bem aplicados: na saúde, na educação, na segurança etc.

Porque aguardo o momento de o salário dos trabalhadores ser de acordo com a CF, utilizado para saúde, educação, transportes, diversão etc. Porque não posso acreditar que um país tão rico tenha uma distância tão grande entre a riqueza e a pobreza.

Sou bobo, porque acredito. Não que Deus seja brasileiro. Mas que com a Sua mão nós chegaremos no dia em que deixaremos de ser bobos.