Um diálogo difícil

0
139

O mundo não enlouqueceu, o homem é que está perdendo o juízo. Os fatos mostram a enorme dificuldade de manter um diálogo respeitoso entre as pessoas.

Representa que as pessoas falam linguagem diferente no mesmo país.

O excesso de compromissos impede a comunicação dentro da família. Os pais não entendem os filhos, os filhos não entendem os pais. Conflitos permanentes, transferidos para a sociedade.

A população não aceita o comportamento das pessoas e toma atitudes desnecessárias e perigosas. Tanto assim que, simples acidente de trânsito, dá motivo à troca de palavras ásperas, que podem ocasionar acontecimentos de natureza grave.

Não é isto o que presenciamos no dia a dia? O noticiário da imprensa tem sido farto nesse sentido.

Vivemos um momento mágico em matéria de conforto, de avanço da ciência e da medicina, da tecnologia da informação e das oportunidades para viver bem. Isso, no entanto, não resolve os problemas da humanidade.

Ao mesmo tempo as notícias sobre crimes, proliferação de drogas, desastres etc. dominam o sentimento das pessoas.

O homem vive uma felicidade infeliz, na esperança de mudança para melhor.

LEÃO

O leão não é manso como se pensa. Tanto o do imposto de renda quanto o da inflação. Ambos comem os ganhos conquistados com o suor do trabalho.

O ‘mamífero’ do imposto de renda parou de rosnar, está preparando um jeito de morder os contribuintes por erros ou omissões nas declarações. Já o da inflação vem mostrando as garras mês a mês, presente nos supermercados.

E a população temerosa continua apostando na segurança oferecida pelo governo de que os leões estão bem controlados. A população, descrente, não acredita.

JOGOS

É uma utopia proibir os jogos no país, porque o jogo sobrevive. Combatido mas existe. Os brasileiros gostam de apostar.

O velho jogo do bicho uma vez foi oferecido em Porto Alegre para conhecido desembargador que foi juiz em Santo Ângelo. O desembargador riu e não aceitou. O arrecadador não conhecia o respeitável juiz.

Aqueles que jogam sempre encontram uma maneira de apostar na sorte.

Na fronteira, construíram novo prédio para abrigar hotel, restaurante e casa de jogo. O cassino está repleto de brasileiros.

Está na hora de deixar de lado o fechamento de olhos para os jogos, porque o país está perdendo a oportunidade de arrecadar impostos e empregar trabalhadores.

LOTERIA

Temos confiança nas loterias da Caixa, séria instituição oficial. Temos, porém, o direito de desconfiar dos sorteios ou parte deles.

Não pode uma pessoa ganhar 502, 300 ou 216 vezes, conforme denunciou determinado senador, apresentando provas.

Faz tempos que há uma desconfiança nesses sorteios, inclusive, no passado recente, o então deputado federal João Alves havia acertado os números várias vezes. Tudo não passava de uma lavagem de dinheiro mal havido.

Ainda aposto na esperança de ganhar, mas não sou tolo a ponto de não imaginar que pode haver tapeação nos sorteios oficiais. Alguém duvida?

PADRE

Lamento a morte do amigo padre João Konzen, que foi prefeito de Vitória das Missões. Cumpriu sua missão na terra e, no céu, junto de Deus, zelará por todos nós.