Depoimento do Walmor

0
106

Escritor e editor, Walmor Santos prestigiou nossa última Feira do Livro, graças à iniciativa do Colégio Estadual Onofre Pires, através das professoras encarregadas da biblioteca da escola, Vera Lúcia Barasuol Jung e Ana Fan. Além de participar de jantar literário com membros da Academia Santo-angelense de Letras e ser recepcionado e homenageado pelos alunos do Colégio Onofre Pires, o Walmor, a exemplo do que faz em Porto Alegre, proferiu emocionada palestra no Amor ao Próximo. Nossa irmã de fé Marisa Vasconcellos ficou “contagiada” pelas palavras emotivas ditas pelo Walmor, como de resto toda a plateia. Dele, recebo agora várias notícias, entre as quais as seguintes:

– Estou adorando o CD A Arte da Poesia Falada, do Claudino de Lucca. Não apenas tem conteúdo, mas histórias e emoção. Tem poemas que só falta ouvir os soluços pois ele interpreta muito bem. O poema Um Cavalinho Chamado Tomé me faz acreditar que seja verdadeiro. Tens o e-mail do Claudino?

– Na minha palestra proferida na Sociedade Espiritualista A Caminho da Luz contei algumas histórias retiradas do teu livro de crônicas. Só não vá me processar…

– Estava eu fazendo uma palestra, quando alguém do auditório pergunta sobre a morte prematura. Respondi. Depois, ao final, uma senhora idosa me diz ao ouvido que a palestra foi para ela. E contou que fazia vinte dias que perdera o marido, assassinado por um ladrão. E disse que estava muito difícil viver, pois foram casados por mais de cinquenta anos. Claro, a consolei com os conhecimentos doutrinários. Dias depois, ela soube da médium, que cobrava por consulta (portanto, não era médium espírita, que sabes deve praticar o dar de graça o que de graça recebeste) Para sua surpresa, o marido se manifesta dizendo estar cercado de velhos amigos (e dá o nome um a um para eles), também diz que agora sabe e pode compreender por que ele a mãe se odiaram a vida toda. Ao se reencontrarem, ao reverem ações de outras vidas, reconciliaram-se. Também fala do processo que tramita na Justiça sobre a propriedade do sítio, onde foi assassinado, e diz que o documento perdido, que lhes garantiria a posse e o ganho do processo estava apenas escondido dentro de casa. E ele aponta o lugar. Também fala que foi assassinado porque, em uma vida passada, tinha sido caçador de recompensas, aquele que sai atrás de procurados pela Justiça. O cara que o matara nesta vida, fora um dos que ele entregara morto (claro, por ele assassinado). Enfim, amigo, para quem labuta constantemente na doutrina, exemplos e experiências transbordam…

Pois é, Walmor, a mediunidade da Sônia desconcerta qualquer teórico. Apesar da consulta paga, entes queridos dos consulentes aparecem e dão notícias com detalhes e exatas informações… Enfim, sabemos muito pouco sobre a fantástica vida espiritual.

A FRASE DO CHICO XAVIER, postada no Facebook por Margarete Vieira: – Cada dia que amanhece assemelha-se a uma página em branco, na qual gravamos os nossos pensamentos, ações e atitudes. Na essência, cada dia é a preparação do nosso próprio amanhã.