Dr. Leocádio

0
133

Num sábado desses, a irmã de fé Izete Schneider apareceu na sessão pública do Amor ao Próximo com um maço de folhas, para distribuição, contendo pensamentos do médico desencarnado Leocádio José Correia. “Espírito forte é aquele que tem domínio de si mesmo”. A frase do dr. Leocádio está em consonância com o ensinamento de um sábio da Antiguidade, insculpido no pórtico de um templo iniciático grego, segundo o qual, a receita da (possível) felicidade terrena consiste no conhecimento de si mesmo. “Homem, conhece-te a ti mesmo”. A partir da indispensável autoanálise, o ser humano corrige defeitos e aproveita mais uma oportunidade reencarnatória. Ou não corrige e estaciona na senda evolutiva.

Mas quem é mesmo o dr. Leocádio? Paranaense de Paranaguá, o dr. Leocádio exerceu a medicina e exerceu um mandato de deputado estadual. Na inauguração do belíssimo trecho ferroviário Curitiba/Paranaguá (passeio inesquecível), com a presença da Princesa Isabel e do Conde D’Eu, o médico dedicado foi um dos oradores. Aos 38 anos de idade, Leocádio deixou o mundo físico. Desembaraçado da roupagem carnal, voltou a medicar os enfermos que o procuram, através do médium Maury Rodrigues da Cruz, que trabalha na Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas, em Curitiba, com a mesma abnegação que o caracterizava nos consultórios de Paranaguá e da capital paranaense.

De minha parte, sou muito grato ao dr. Leocádio. Quando o Marcelo tinha nove anos, surgiu um tumor benigno no cerebelo, que lhe provocava forte dor de cabeça. Apesar de toda a competência e dedicação do dr. Luiz Carlos Flôres, a enfermidade não cedia e então o profissional recomendou o deslocamento para Porto Alegre. De teco teco, pilotado pelo amigo Egídio Pedro Flach, o Marcelo chegou a Porto Alegre e de lá seguiu a Curitiba. O neurocirurgião dr. Ratton decidiu pela imediata cirurgia embora os sérios riscos que seriam enfrentados. Na véspera do ato operatório, tive a feliz experiência de conversar com o espírito do dr. Leocádio, incorporado no Maury, que me tranquilizou:

– Não se preocupe, a cirurgia vai ser exitosa. Vou ajudar o médico terreno usando um aparelho que a Terra só conhecerá daqui a uns cinquenta anos, na contraparte espiritual dele. Quinze minutos antes, faça orações e me chame.

No bloco cirúrgico, o dr. Ratton me chamou e me advertiu que o Marcelo poderia ficar na mesa ou com sequelas. Autorizei a difícil cirurgia sem nenhuma dúvida. O dr. Ratton se retirou para uma sala e fez orações, como costumava fazer. A cirurgia prevista para oito horas durou apenas quatro, com total êxito e sem ter deixado sequelas. Aos dezenove anos, em acidente de automóvel, em Curitiba, o Marcelo retornou ao plano espiritual. Quem o recebeu no outro lado da vida? A informação me foi dada pelo médium Divaldo Franco, pouco antes da palestra que proferiu no antigo Cinema Belvedere:

– O Marcelo foi acolhido pelo dr. Leocádio José Correia e pouco depois chegou o teu pai, Oscar Ernesto Jung.

Em Santa Maria existe uma casa espírita que tem como patrono o dr. Leocádio. Os pais do amigo e irmão de fé Luiz Vilmar Denardin foram obreiros dessa casa por muitos anos.

A FRASE DO CHICO XAVIER, curtida por Cláudia Rosenthal: “Um pedaço de pão que se dê aos pobres tem mais argumentos perante a Lei Maior do que todas as explanações da inteligência”.