É preciso merecer

0
132

Em matéria de fragilidade física o ser humano só se dá conta quando a enfermidade chega e vai entrando porta a dentro, sem pedir licença a ninguém. Então, só então, o homem ou a mulher constatam que, de repente, podem voltar para o outro lado da vida, independentemente de idade. Seria ótimo que todos nos antecipássemos a incômoda visita da doença, com a adoção de comportamentos preventivos. E, mesmo na juventude, deixássemos de lado o consumo exagerado de bebidas alcoólicas (e como se bebe em Santo Ângelo!), com a mesma fuga do tabagismo e das drogas. Ao lado dos cuidados com a saúde física, preocupação também com a saúde espiritual (muito desleixada). Já ouvi muitas conversas mais ou menos assim:

– Quando eu melhorar, vou comparecer mais no centro espírita, vou praticar a caridade.

– Minha esposa não vai mais ajudar na parte assistencial do Amor ao Próximo porque não precisa mais. Ela já se recuperou da depressão.

Então tá.

Outro dia, conversei com santo-angelense que está em franco restabelecimento de saúde, depois de passar por cirurgias e internamentos em salas de UTI. Ele e a filha muito eufóricos, é claro. Além da excelência do tratamento médico terreno, o amigo contou com a ajuda da medicina espiritual. Silenciosa, eficiente.  Uma completa a outra. Essa conjugação de esforços sempre resulta em cura do enfermo? Nem sempre. Como dizia o seu Orlando,em sua humilde casinha no Bairro Haller:

– É preciso merecer.

Não sei se já contei, mas é bom repetir. Num dia movimentado, de uns duzentos benzimentos, quase anoitecendo, o seu Orlando estava sentado num banco tosco, rodeado de amigos, tomava alguns mates, sempre poucos, conversava pouco, como era do seu jeito (mais escutava do que falava). Alguém pergunta para aquele homem discreto e humilde:

– Dos duzentos atendimentos de hoje quantos ficarão curados?

Orlando responde em menos de meio minuto:

– Só dois.

– Por que só dois?

– Porque só dois merecem.

A FRASE DE AUGUSTO CURY, curtida por Taís Cristiane Garcia Frey: “Respeite seus próprios limites. Quando estiver irritado e ansioso, ame o silêncio. No primeiro minuto de tensão produzimos nossos maiores erros”.