Ela quer notícia do filho

0
154

A desencarnação de um filho é prova muito difícil para os pais. Há um vazio no ambiente doméstico, inconformidade, sentimento de injustiça, tudo agravado pelo desconhecimento de que nada acontece por acaso em nossas vidas. Passadas as primeiras semanas, os pais querem notícia do filho desencarnado, há uma ansiedade por qualquer informação. Leitora da coluna, que prefere não ser identificada, exprime bem o que é essa busca desesperada de notícia, embora o filho tenha deixado o cenário terreno há menos de um mês:

– Meu filho nasceu uma criança perfeita, mas aos oito meses começou a ter crises convulsivas. Embora o acompanhamento médico de uma profissional da cidade o quadro não apresentava melhoras. Então dos oito meses a um ano e meio, o menino permanecia apenas deitado, sem se mexer, sem força nos braços e nas pernas, praticamente em estado vegetativo. Há sete meses deixei meu trabalho e me dediquei exclusivamente a cuidar dele. Aconselhada por uma amiga, levei o menino ao consultório de um neurologista em Santa Maria, tendo obtido ligeira melhora. No retorno, em conversa com uma senhora espírita, ouvi dela que o nosso filho era um espírito muito evoluído e que ficaria pouco tempo em nossa companhia. Infelizmente, isso aconteceu e poucas semanas depois ele nos deixou. Esteve em coma por dois dias. Eu o amei demais, não me importava de carregá-lo em meus braços pelo resto da vida. Quando me sinto triste, vou até o seu túmulo e me sinto em paz.

Como eu poderia receber alguma notícia do querido filho?

O Chico Xavier dizia que o telefone não toca daqui para lá, só de lá para cá. Ninguém tem condições de responder de imediato ao apelo da mãe. Há casos em que a resposta é demorada, mas o modo mais comum é a comunicação através do sonho. Por meio dos sonhos, os espíritos amigos aproveitam a oportunidade para entrar em comunicação conosco. É comunicação direta, sem interferência mediúnica. É possível que a leitora tenha a felicidade de ouvir palavras do filho em qualquer noite e amanheça banhada de euforia diferente de qualquer outra. Foi o que aconteceu com amigo pai adotivo de menino desencarnado com pouco mais de três meses. Menos de um mês depois do ato desencarnatório, a criança apareceu em sonho e falou de modo muito claro e inesquecível:

– Vim agradecer o pai que eu tive na terra.

E nada mais disse.

PRA CABECEIRA DA CAMA – Jujuda Freitas escreve dando parabéns pelo livro. “É muito interessante, principalmente por falar de pessoas de Santo Ângelo, que conhecemos. Espero por um próximo. Um abraço”. Ana Freitas Cabreira também traz seu depoimento: “Eu li e reli várias vezes. O livro é muito bom… é pra cabeceira da cama mesmo. Parabéns”. De Santa Maria, Raquel Martins, diretora de secretaria da II Vara Federal, adquiriu o livro na banca da estação rodoviária e comenta amavelmente: “Querido dr. Oscar. Estou adorando seu livro! Está literalmente na cabeceira da cama e é impossível ler somente uma das crônicas antes de dormir! Grande abraço”!

A PALAVRA DO CHICO XAVIER – destacada pelo procurador do INSS Luiz Fernando Codinotti – Aquele que acredita realmente na sua própria religião não tem tempo e nem necessidade de criticar a fé dos outros.