Intervenções espirituais

0
146

Ninguém sabe muita coisa sobre o mundo espiritual, da capacidade de influência dos desencarnados sobre nós. O que não se pode duvidar é que essa influência existe mesmo e que muitos desencarnados nos conhecem por dentro e por fora. Muitas vezes não lembramos de amigos chegados de outras vidas, mas que nos acompanham em nossas atividades diárias. Outro dia, o Diniz Kercher me passou mensagem psicografada pela médium Giovana Wexel Morais, em que o Irmão Natannyell Stumphy, que devo ter conhecido em vida anterior, assim se expressa: “Ficamos felizes ao sentir a presença de todos os que aqui estão, com os corações abertos, cheios de amor e esperança, paz e mansidão. Gratificados estamos em saber que amigos espirituais se fazem presentes com sua proteção e muitas bênçãos a nossa disposição. Queridos amigos, desejamos que encontrem as respostas que buscam, curas para suas doenças, sabedoria nas escolhas. Que suas tochas estejam acesas dando-lhes luz em seus caminhos. Mantenham-se firmes e fortes com espadas em punho para enfrentar todas dificuldades da vida, mas com a certeza, meu Irmão, que o escudo do Grande Mestre estará sobre você, dando-lhe amparo e sustentação. Sinta-se forte, firme e um grande vencedor sob a luz das abóbadas que estão a iluminar seus passos. Seja feliz hoje e sempre”.

O amigo Mário Brasil Antunes Gomes estudou, quando adolescente, no IPA, colégio metodista muito conceituado em Porto Alegre. Então ele morava num pequeno apartamento situado na rua Felipe Camarão, e tinha como companheiro de quarto um amigo chamado Auri. O Mário, que é espírita, relata em seu e-mail um caso de cura do Auri, que é mais um exemplo da intervenção espiritual em favor do ser humano. É uma pena que muitos desprezam o auxílio dos irmãos da Vida Maior. Eis o que o Mário nos conta:

– No ano de 1960, num centro de umbanda do Bairro Glória, em Porto Alegre, conheci um médium que recebia o espírito de um médico identificado como Irmão Guaraci. O médium era um homem modesto, barbeiro de profissão, sem maiores conhecimentos. Exercia a mediunidade, gratuitamente. Ele costumava confidenciar que recebia a mediunidade como uma missão divina, ao tempo em que lamentava o prejuízo financeiro causado pelo seu afastamento do trabalho profissional. Era incrível a transformação do barbeiro, quando incorporado pelo Irmão Guaraci. Quando chegava para o trabalho espiritual, acendia um charuto. Bastava apenas uma tragada para entrar em transe e começar a dar consultas. Com a voz um tanto rouca e sotaque estrangeiro, recebia os consulentes em uma sala separada. Certa vez acompanhei o Auri numa consulta. O Auri tinha o cacoete de fungar quando falava, devido a uma obstrução no septo nasal. Na ocasião, o amigo levou radiografia para mostrar ao Irmão Guaraci, mas o espírito nem quis olhar. E, imediatamente, passou a descrever os sintomas apresentados pelo quadro da enfermidade. Em seguida, o médico espiritual concluiu pela necessidade de cirurgia astral, já marcando a data e indicando os cuidados que o paciente deveria adotar. O ambiente foi preparado de acordo com as recomendações do Irmão Guaraci. Lembro que os lençóis deveriam ser brancos. Na manhã seguinte à cirurgia astral, o Auri levantou mais tarde e um pouco sonolento. Em resumo, ficou curado.

O Mário também entende que o interesse financeiro em questões religiosas é um grande entrave ao nosso progresso espiritual. Para ele, os desvios de conduta, movidos por interesses financeiros, são da responsabilidade única dos homens, não ancorados pela doutrina. Pois é, Mário, como voltarão à vida espiritual os que enriquecem, constituem enorme patrimônio material, em nome de princípios religiosos? O Mestre Jesus pedia dinheiro aos seus seguidores? Curava doentes com a simples imposição de mãos, em troca de recompensa financeira?

A FRASE DO CHICO XAVIER – O bem que praticares, em algum lugar, é teu advogado em toda parte.