Nenhuma dúvida mais

0
559

O colega Carlos Kelm teve harmoniosa vivência com a Marlise por 23 anos, gerando um casal de filhos. Em novembro do ano passado, Marlise voltou ao plano espiritual, em razão de severo câncer de mama, com idade de 43 anos. Foi o que chamamos, equivocadamente, de morte prematura. Todos os recursos médicos possíveis foram utilizados, o Carlos fez o que estava ao seu alcance para amenizar o sofrimento da esposa querida. Mas, em verdade, a Marlise voltou à vida espiritual na hora certa, no dia certo. Como tanta gente, o colega foi a Porto Alegre, na residência da médium Sônia, na Cavalhada, em busca de alguma notícia que o confortasse.

Por e-mail, banhado em lágrimas, Carlos me relata a experiência que superou todas as suas expectativas:

– A primeira coisa que a Marlise disse é que eu não devia me sentir culpado, que sua passagem estava determinada. Que ela me amava muito e agradecia pelo tempo em que estivemos juntos. Falou dos nossos filhos, lindos e maravilhosos. Agradeceu a ajuda das amigas mais chegadas, da mãe (Carmem Zimmer), irmãos (Sérgio e Denise) e demais parentes. Falou que estava na companhia do seu pai (Arno Zimmer), desencarnado quando ela era pré-adolescente. Agora ela está curada, não sente mais nenhuma dor, que está muito bem e que em breve começará a dar aulas para crianças, o que ela fez nos últimos dois anos de vida física, na casa espiritualista do Pedro e do Wilton Dourado.

Como todos que têm oportunidade de dar notícias, Marlise tranquilizou os familiares:

– A morte do corpo físico não é o fim, mas apenas uma viagem ao plano espiritual.

A narrativa do Carlos prossegue de forma muito convincente e, certamente, abalará opiniões dos céticos:

– Ela falou que adorou nossa casa nova (mudamos poucos dias antes da desencarnação dela) e lembrou da cachorrinha que ganhara do Sérgio. A cachorrinha teria acusado por latidos a presença do espírito da Marlise em nossa casa. Por fim, ela falou de forma carinhosa e única do pai desencarnado, que a chamava de minha boneca. Apenas a família sabia desse detalhe. Era a lembrança eterna que guardava do pai.

Outro detalhe que impressionou o missivista foi a presença de seu pai desencarnado dezessete dias depois da viagem da Marlise, também já adaptado à vida espiritual. Outros familiares também compareceram ao emocionante encontro entre habitantes dos dois mundos. Confortado por prova tão exuberante, Carlos hoje não tem mais dúvidas de que ninguém morre.

A FRASE DO CHICO XAVIER, postada no Facebook por Silvia Meotti: – Somos livres para decidir sobre os nossos atos, muito embora nos tornemos escravos de suas consequências.