O louro do José

0
110

Todo mundo sabe que o amigo José Juska é o decano dos cirurgiões-dentistas de Santo Ângelo e em plena atividade profissional. O que todo mundo não sabe é que o José cultua a folha de louro como talismã da felicidade e da prosperidade desde criancinha. A mãe dele tinha por hábito distribuir folhas de louro à prole e às pessoas amigas por ocasião da celebração natalina. Assim que, por ocasião do recente encerramento das atividades de uma confraria local, o José entregou uma folha de louro, devidamente embalada a capricho, a cada um dos participantes. O significativo gesto caiu numa rede social e rendeu 62 curtições e 16 comentários dos amigos virtuais.

Eleonora de Moraes Menezes Terlera mergulhou no Google e trouxe a informação de que a planta representava a vitória na Grécia e na Roma antigas. Lembrou a Eleonora que os vencedores de qualquer competição eram coroados com folhas de louros. Entre os romanos, quando um comandante ganhava uma batalha, enviava para o Senado um pergaminho envolto em folhas de louro, dando conta do feito. Por sua vez, Roberta Freitas menciona que, na religião dela, as folhas de louro transmitem poder e força. “Inclusive carregamos em nosso bolso, pois a energia delas traz bons resultados”. Adroaldo Loureiro gostou do debate e recordou que desde tempos imemoriais se diz que os vencedores levam “os louros da vitória”.

Atento aos comentários, o professor Adalberto Meller, um santo-angelense que reside há muitos anos em Santa Maria, também compareceu com seu aparte. O amigo Adalberto lembrou aula de um doutor em Botânica da Universidade Federal de Santa Maria, o dr. Beltrão, igualmente conhecido da Vera Lúcia Lied. Segundo o Meller, o dr. Beltrão, que já viajou de volta ao plano espiritual, misturava em aulas o conhecimento científico e as aplicações caseiras dos vegetais. Sobre as propriedades do louro, o velho mestre sustentava que todos os nutrientes do louro fazem um bem danado para a nossa saúde, agindo de diversas maneiras em nosso organismo.

Entre outras coisas, o louro combate o estresse e a ansiedade, pois é uma planta relaxante.

A professora Maria de Lourdes Noronha é outra apaixonada pelo hábito de trazer sempre no bolso ou na bolsa uma folha de louro e garante que dá certo. A professora é entusiasta e não deixa por menos: – Fiz a experiência e nunca mais deixei de levar uma folha de louro na minha bolsa. Sei que é uma muleta, mas que traz felicidade traz…

Pois é, caros leitores, a receita do José Juska está aí para ser aproveitada por quem quiser. E de graça. Pra quem quiser dinheiro (não traz felicidade, mas acalma os nervos, como dizia o amigo Armindo Utzig), boa sorte na vida, e quem sabe até mesmo a sonhada conquista da mega sena da virada do ano…

Como eu acredito no Juska, meu colega de aula no curso ginasial do Colégio Marista, a minha folha de louro tá bem guardada num bolso das calças. Pelo sim, pelo não…

MÔNICA CARGNELUTTI – A professora, minha vizinha de tempos passados na rua Barão de Santo Ângelo, me conta que em certa noite amanheceu lendo o Pra Cabeceira da Cama, depois de ter se emocionado e chorado muito quando deu com o nome do avô Almiro Heitling numa das crônicas. “Adorei o livro”, finalizou a Mõnica. O mesmo me disse a Enide Ribas Uggeri, lá de Nova Mutum (MS).

A PALAVRA DO CHICO XAVIER – destacada por Yole Mousquer Steinhaus – A melhor maneira de aprender a desculpar os erros alheios é reconhecer que também somos humanos, capazes de errar ainda mais desastradamente que os outros.