Recados eletrônicos

0
132

Recado que me deixou particularmente feliz foi o encaminhado pelo jornalista Tiarajú Goldschmidt, porque me trouxe a informação, nunca antes imaginada, que modesta crônica minha tenha alcançado a Índia, graças ao espantoso recurso eletrônico da Internet. Data: ll de janeiro. Hora: 09:59. Escreve o editor do Jornal das Missões: “Dr. Oscar, tudo bem? Só para lhe avisar que, neste momento, tem um leitor de New Delhi, Índia, lendo a sua coluna do “Cheiro da Morte”. Pra ti ver que interessante é o novo site do JM. Um abraço.” Bota interessante nisso, Tiaraju! Em tempo: o recado foi repassado para a leitora I.N., autora da mensagem que deu origem à crônica.

Do amigo Arno Luiz Lerino vem agradecimentos pela coluna passada, na qual deixei claro que Preto-Velho não quer dinheiro em retribuição a consultas ou ajuda espiritual. Assinala o remetente:

– Infelizmente, as pessoas do mundo profano não sabem distinguir a Umbanda de outras religiões Afros.

Pois é, Lerino, a confusão é tanta, que certa vez alguém de curso superior, quando soube que o filho estava participando de sessões públicas do Amor ao Próximo, me perguntou se nós costumávamos bater tambor nos trabalhos… alguns fazem perguntas assim por ignorância, outros, porém, por má-fé.

Giovana Wexel Morais, que se apresenta como médium umbandista, também me escreveu se congratulando com a crônica da edição passada. Giovana, que não conheço pessoalmente, assim se manifesta:

– É com imensa satisfação e grande admiração que lhe escrevo. Conheci sua coluna através do Irmão Lerino, pois faço parte do mesmo grupo de Umbandistas, comentado por ele. Parabéns pelas lindas e emocionantes palavras, fazendo assim conhecido o Preto-Velho, que tanto estimamos em nossa Casa. Não há distinção nem diferenças entre os irmãos, e sim há um objetivo maior que é o aprendizado da Espiritualidade, tão necessário para a nossa evolução espiritual e a prática da caridade. Que Deus, Grande Pai Oxalá ou Zambi, independentemente de denominação e credo, continue lhe abençoando neste belo trabalho que a muitos esclarece e nos abre portas para que consigamos fazer melhor o nosso trabalho de Evangelização e conscientização a tantos que precisam de auxílio. Um grande abraço.

Por outro lado, a amiga Luiza, minha ex-aluna de Prática Forense, que participa de Centro de Umbanda, localizado no Bairro Dido, fundado pela professora Marina, também confirma a inexistência de qualquer cobrança pecuniária no trabalho dos guias espirituais daquela casa:

– Não cobramos nada de ninguém porque os Pretos Velhos não precisam de dinheiro. O máximo que aceitam, quando o consulente sai satisfeito com as respostas que buscava é um “paieirinho”, como eles mesmo dizem. Nada mais do que isso, porque tudo é feito por amor e pela caridade.

A FRASE DO CHICO XAVIER – Hoje traz pensamento do Espírito Emmanuel, psicografado pelo Chico, nos seguintes termos: Caridade ensinada melhora os ouvidos. Caridade praticada aprimora os corações.